Qual é a grande diferença entre Videomaker e Filmmaker? Várias pessoas me questionam sobre isso e sobre porque me defino como um e não como outro. Vamos do básico e depois mostro a diferença principal.

Filmmaker

O termo filmmaker surgiu da combinação de palavras Film, que em inglês significa: Filme e Maker que no inglês significa: “aquele que faz”. Na tradução livre Filmmaker é algo como “aquele que faz filmes”. Mas não é somente isso que quer dizer. O termo Film veio da utilização do uso de película (filme) para captação das imagens. Neste caso Filmmaker significava “aquele que usava filme (em película) para realizar suas peças audiovisuais”.

Hoje o filmmaker é o profissional ligado diretamente à realização do cinema em sua forma tradicional, com curtas, médias, longas metragens e afins. É o que chamamos de cineasta. Este profissional tem uma formação mais clássica nos curso de cinema, que tem um aprofundamento para se trabalhar não somente operando câmera, mas também dirigindo toda uma equipe cinematográfica.

Videomaker

O termo videomaker vem da combinação das palavras Videotape que na tradução mais livre eram aquelas famosas fitas de VHS com a palavra Maker, que como já mostrei acima é “aquele que faz”. Então videomaker antes era “aquele que usava fitas em suas obras audiovisuais”.

Nos dias de hoje, o videomaker tem um conhecimento muito bom em fotografia, em audiovisual, enquadramento, iluminação, direção, pilotagem de drones, uso de smartphones para captação de imagens e uma série de outras coisas. Este profissional veio em prol das novas mídias, dos equipamentos mais maleáveis e da agilidade de produção.

Diferença

A principal diferença que separa uma profissão da outra está no fato do videomaker ser responsável por produzir e pôr em prática toda a criação de um vídeo. Muitas vezes, o profissional realiza sozinho o trabalho completo, desde sua concepção até a finalização no computador.

É comum que o videomaker não possua um roteiro e lide o tempo todo com imprevistos. Por isso, a organização é fundamental, já que a estrutura de produção é bem mais enxuta. Isso por si só também resulta em menor custo ao cliente. Mesmo sendo comum que  trabalhemos de forma mais independente, nós videomakers também podemos atuar em equipe – a depender do cliente que contrata, dos tipos de serviços ou do projeto que realizar.