O uso Geek de uma mochila de hidratação

Cadê a mangueira de hidratação?
Cadê a mangueira de hidratação?

E não é que repararam nas minhas fotos/vídeos da Maratona do Rio de Janeiro a falta da mangueira de hidratação na mochila que levei? Pois é, algumas pessoas vieram me perguntar porque levei uma se não usei para hidratação que é o seu intuito. Eita povo observador.

Levar uma mochila como estas é mais recomendado para provas de trilha e/ou em qualquer treino maior no qual não haverá água para beber. Este não é o caso de provas como a Maratona já que haviam diversos postos de hidratação no caminho. Então porque levei?

Além de itens comuns em corridas longas como gel de carboidrato, sal, algum documento de identificação e algo para comer o lado geek falou alto. Claro que levei alguns acessórios dentro da mochila.

Vamos à lista:

  • Bateria externa para o iPhone
  • Bateria extra para a Garmin Virb Elite (câmera de ação)
  • Mini tripé e bastão de mão (me recuso a chamar de “pau-de-self”) para filmagens/fotos

A mochila possui dois bolsos frontais de fácil acesso feitos para transportar garrafas de água. Um destes usei para guardar o celular, assim ficou simples manuseá-lo quando precisei, e o outro alternei entre copos de água ou a câmera.

Na parte de trás guardei todo o resto da lista acima, claro que as baterias devidamente protegidas de água via bolsas impermeáveis (dessas facilmente encontradas na Internet ou camelôs).

Cabe aqui um adendo interessante para os geeks corredores. Os iPhones nunca foram exemplo de bateria com autonomia boa (ô saudade da Nokia). Mas a bateria do iPhone 7 me surpreendeu positivamente. Mesmo colocando em modo de economia de energia achei que teria de recarregá-lo durante a prova (por isso uma bateria externa na mochila). Como já esperava por isso desencanei e comecei a ouvir música bem antes da corrida começar.

Por incrível que pareça o iPhone ficou 5:30 (isso mesmo, cinco horas e meia!) tocando música e ainda assim restaram 60% de bateria quando cheguei de volta ao apartamento. Juro que para mim foi surpresa.

Voltando a falar sobre a mochila, esta que usei é uma da Kaleji e está disponível tanto no modelo masculino quanto feminino. Existem diversas semelhantes a esta no mercado com preços variados. Caso se interesse vale acho que vale a pena dar uma pesquisada por ai.

Aplicativos que simulam ciclo-computadores x ciclo-computadores dedicados

Aplicativos que simulam ciclo-computadores x ciclo-computadores dedicados
Aplicativos que simulam ciclo-computadores x ciclo-computadores dedicados

Existem diversos aplicativos para ciclistas com as mais variadas funcionalidades. Alguns deixam os ciclo-computadores (aqueles aparelhinhos dedicados à prática de ciclismo) na era das cavernas. Utilizam GPS, compartilham dados em tempo real, medem altimetria, traçam rotas em mapas, postam dados em redes sociais e um monte de outras coisas.

Como bom geek, já testei diversos aplicativos indicados para ciclismo em minhas pedaladas. Existe uma variedade grande de opções com muitos recursos legais. Mas vamos com calma pois isso pode atrapalhar. Já pensou no custo disso tudo?

Como assim custo? Do que está falando?”. Simples, estou falando de bateria! Sim, tudo isso consome muita bateria que pode fazer falta em uma pedalada mais longa, em um momento em que precisa pedir socorro ou mesmo para registrar aquela foto legal em algum local bacana do treino.

Já imaginou você estar fazendo sua pedalada com os amigos e após de algumas horas precisar do celular e ele está descarregado porque você o utilizou como ciclo-computador? Enquanto que um smartphone pode ficar sem bateria em poucas horas, sabe quanto tempo dura a de um ciclo-computador? Quase 3 anos!

Levando isso em consideração, será que não seria melhor manter um pouco o pé no chão e utilizar menos recursos? Será que aqueles dados mais básicos dos ciclo-computadores não são suficientes? Para quem não sabe, estes aparelhinhos medem pouca coisa. Basicamente contam com funções de velocidade (instantânea, média e máxima), distância, cronômetro e relógio. Alguns tem mais recursos, mas no geral é apenas isso.

Os ciclo-computadores mais básicos não custam muito (já encontrei em torno de R$70,00) e são relativamente simples de instalar. Eles são bem precisos, até mais que os aplicativos com GPS pois calculam a distância percorrida através do giro da roda da bicicleta.

Voltando aos aplicativos, existem alguns que simulam um ciclo-computador e mostram apenas as mesmas informações. Estes normalmente são bem minimalistas no visual e não armazenam dados. Mas as desvantagens destes são as citadas acima: Não são tão precisos e consomem a bateria. Por outro lado custam muito pouco financeiramente se comparados com aparelhos dedicados e contam com iluminação que se adapta tanto para o dia quanto para a noite (coisa que ciclo-computadores normalmente não tem).

Dois exemplos disso são os aplicativos Cyclo ($1.99) e BikeDaddy ($2.99). Ambos muito parecidos diferenciando apenas no quesito recurso já que o primeiro é mais completo (além de mais barato). Se você tiver algum suporte para manter seu smartphone no quadro da bicicleta até que dá para utilizá-los, mas tome cuidado com os dias de chuva.

Aplicativos Cyclo e BikeDaddy
Aplicativos Cyclo e BikeDaddy

Pessoalmente, apesar de utilizar o Cyclo, vou adquirir um ciclo-computador e poupar a bateria de meu smartphone. Mesmo utilizando um relógio Suunto Ambit 3 Sport que tem bastante recurso, consultar os dados no braço pode não ser muito seguro dependendo do terreno em que está pedalando ou da velocidade em que está.

Aplicativo Cyclo

Download na iTunes App Store

Aplicativo BikeDaddy

Baixar no Google Play

Dica: Como instalar uma câmera em capacete de ciclismo

Dica: Como instalar uma câmera em capacete de ciclismo
Dica: Como instalar uma câmera em capacete de ciclismo

Outro dia me perguntaram como era o procedimento para instalar uma dessas câmeras de ação em um capacete de ciclismo. De pronto digo que é bem simples e rápido, não requer habilidade ou gambiarra. Isso claro, se você tiver o suporte correto.

Gravei um vídeo demonstrando a instalação com um suporte para a câmera Garmin Virb Elite que é a que tenho aqui, mas o procedimento é semelhante caso a sua seja uma GoPro, Sony Action ou qualquer outro modelo parecido. Confiram abaixo:

Lembre-se: Nunca utilize gambiarras para instalar sua câmera. Pode parecer uma ideia tentadora para deixar de gastar com o suporte, mas isso pode acabar custando caro. Já imaginou se no meio da sua pedalada a gambiarra dá errado e sua câmera cai? Pois é!

Fone Sony MDR-AS400EX vale à pena? – Review

Fone Sony MDR-AS400EX
Fone Sony MDR-AS400EX

Geek que é geek não sai de casa para correr/pedalar sem uma playlist musical ou mesmo alguns podcasts. Eu mesmo sou um que não consigo curtir uma corrida sem isso. Por este motivo sempre estou em busca de um bom fone para os treinos.

A Sony lançou recentemente um fone de ouvidos, modelo MDR-AS400EX, dedicado à prática esportiva. A divulgação feita pela empresa é de que este fone é ideal para a prática de atividades físicas e também que não caem durante os exercícios. Será mesmo?

Estou com um deste em teste há uma semana e acredito que com isso já posso comentar minhas impressões. Rodei pouco mais de 130km com ele (pedalando e correndo) além ter utilizado também em exercícios diversos e em momentos de descanso. Posso afirmar que a Sony caprichou neste modelo.

Os fones realmente são muito confortáveis e não caíram em momento algum dos treinos. Além disso o conforto das alças de silicone para ajuste é um ponto que gostei bastante. Mal dá para perceber que estão “enroladas” ao redor das orelhas. Sem contar que não atrapalha em nada as hastes de óculos escuros.

A qualidade sonora é boa, mas nada de espetacular. Não perde em nada para outros modelos que já testei, mas também não é surpreendente. Tem uma acústica boa, graves de qualidade, bom isolamento externo e tudo mais. Mas lembre-se de que este fone é para praticantes de esportes e não para audiófilos.

Um teste que não realizei por completo, mas que a Sony promete, é que o MDR-AS400EX resiste à suor e respingos de água. Quanto ao suor posso garantir que até agora está resistindo muito bem, veremos na próxima chuva se ele também sobrevive.

Adaptador para ajuste de tamanho de fio
Adaptador para ajuste de tamanho de fio

Para quem reclama do tamanho dos fios de fones, este aqui tem 1,2m de ponta à ponta. Pode parecer grande para uso em exercícios (e de fato é), mas ele conta com um acessório para ajuste do tamanho e que também serve para prender à roupa ou braçadeira de smartphone. Gostei disso pois assim pude deixá-lo do tamanho ideal para mim.

Opinião final

Gostei bastante deste fone para meus treinos de corrida de pedalada. Se ajustam muito bem às minhas orelhas/ouvidos e a possibilidade de adaptar o tamanho do fio é um ótimo recurso. O som atende muito bem às minhas expectativas para um fone deste tipo. Até o preço não é dos mais caros (sugerido pela Sony por R$199). Então voltando à pergunta do título deste review: Sim vale à pena este fone para atividades físicas.

O fone pode ser encontrado diretamente no site da Sony ou mesmo em outras lojas.

LifeActív – A melhor braçadeira esportiva para smartphones

LifeActív - A melhor braçadeira esportiva para smartphones
LifeActív – A melhor braçadeira esportiva para smartphones

Como geek faço questão de levar meu smartphone em meus treinos de corrida/pedal. Por tanto já testei vários acessórios para isso. Um destes foi a Flipbelt que é muito boa para transportar chaves, dinheiro, gel de carboidrato e, claro, smartphone. Já comentei sobre ela neste outro post.

De uns tempos para cá optei pelas famosas braçadeiras esportivas. São muito práticas e realmente úteis. O problema é que a grande maioria delas apresenta os mesmos problemas: Qualidade ruim, baixa ou nenhuma proteção contra suor/água e péssimo manuseio do smartphone com ela no braço.

Foi então que encontrei uma que parece ser a melhor braçadeira esportiva para smartphones. A LifeActív da Lifeproof aparentemente resolveu todos os problemas que citei acima. A qualidade é surpreendente, em conjunto com o case LifeProof Frē protege de todo tipo de líquido e o sistema de clipagem torna o uso do aparelho muito fácil. Ela não precisa necessariamente ser utilizada em conjunto com o case da marca, mas juntos ficam perfeitos.

Já tem uma semana que estou utilizando e até agora tenho gostando bastante desta braçadeira. Para terem uma ideia do quanto ela está em testes, já percorri mais de 140km (em treinos de corrida, pedal e duatlo) e até agora ela está se saindo muito bem.

Ela pode ser adquirida diretamente no site da LifeProof, que faz entrega no Brasil. O único problema é que o frete fica muito caro. Se tiverem algum outro esquema para importa-la recomendo que o faça, isso pode deixar a compra menos cara.

Update: Por coincidência, o pessoal do MacMagazine acabou de disponibilizar esta braçadeira em sua loja. Agora ela pode ser adquirida também por lá. Ah! Também estão vendendo o case LifeProof Frē

Continuarei com os testes e caso tenha mais alguma coisa para contar atualizarei este post.