Osmo Mobile 2 – Este estabilizador para filmagens com smartphones vale a compra?

Gimbal Osmo Mobile 2
Gimbal Osmo Mobile 2

Há algum tempo tenho me dedicado a um dos meus hobbies prediletos: produção de vídeos. Para isso, além de estar estudando sobre captura de imagens, ângulos, iluminação… o estudo de edição de vídeos também se tornou uma constante. Mas claro que para isso também tenho lido e testado alguns equipamentos e acessórios tais como tripés, sliders, dolly skaters e outros. Neste sentido recentemente adquiri um equipamento que sempre tive curiosidade de testar, um gimbal.

Um gimbal, a grosso modo, é um suporte para sua câmera que consegue estabilizar o movimento, por exemplo, de caminhar enquanto filma. Para quem faz vídeos parados (você sentado em frente à uma câmera como a maioria dos Youtubers) pode até ser um acessório dispensável, mas se pretende gravar em movimento e com mais qualidade a coisa muda bastante com um destes.

Osmo Mobile 2 em detalhes

O gimbal em questão que tenho testado é o Osmo Mobile 2, um acessório da DJI (famosa pelos seus drones), mas este é específico para uso de smartphones. A empresa comercializa outros modelos deste tipo de equipamento para uso com diversos tipos de câmera, inclusive uma versão antiga também para smartphones. Esta nova versão, lançada este ano, veio para aprimorar ainda mais a experiência do primeiro Osmo Mobile.

Uma das novidades deste em relação ao antigo é a possibilidade de filmar com o smartphone na vertical. Não é algo que pessoalmente me agrada muito, mas para quem gosta de fazer vídeos para os Stories (Instagram, IGTV e outros) ajuda bastante.

Balanceamento

Ao “instalar” o smartphone no gimbal é preciso balanceá-lo para que fique no melhor equilíbrio possível. Isso faz com que sua filmagem fique sempre na posição correta, elimine quase que por completo o balanço ao caminhar e também ajuda a poupar bateria do acessório. Do contrário ele fará “mais força” para tentar corrigir tudo isso. No vídeo abaixo é mais fácil entender como funciona.

Utilizando o Osmo Mobile 2

O uso deste gimbal é bem mais simples do que eu imaginava, mesmo tendo ele diversos recursos que fazem a filmagem ficar com um ar de profissional. Após a instalação do aplicativo padrão e o balanceamento (ver acima) ele já está pronto para uso. Requer um pouco de treino para acostumar com o posicionamento dos botões, virar para um lado e para outro, para cima e para baixo… mas nada complicado e em alguns minutos já dá para começar a brincadeira. Além disso dá para ajustar, nas configurações, a velocidade dos movimentos além de inverter a direção do joystick.

Pode parecer um tanto estranho falar em mudar a direção do joystick mas para mim foi mais lógico fazer assim. Na configuração padrão ao pressionar para a esquerda a câmera vira para a direita e vice-versa. Funciona assim? Sim, mas leva tempo para o cérebro compreender que você está indicando que ao apontar o joystick para um lado é aquela lateral correspondente do smartphone que irá para frente. Preferi fazer a inversão para indicar com o joystick para que lado ele deve virar a câmera e assim ficou bem mais fácil controlar o Osmo Mobile 2.

Botões

O aparelho conta com quatro botões que permitem fazer praticamente tudo, o resto se faz tocando a tela do smartphone. Na lateral há um botão deslizante que serve para aumentar/diminuir o zoom, na frente um outro vermelho de disparo tanto para fotografia quanto para filmagem e o já citado joystick para direcionar a câmera. 

Botões e conexões

Abaixo destes, marcado com a letra M, há um botão multiuso. Ele serve para ligar/desligar o Osmo Mobile 2, para alternar entre câmera frontal e traseira, para travar/soltar o movimento de subida/descida da câmera e também para fazer com que ela volte para a posição inicial. Para tudo isso é preciso decorar a quantidade de cliques para cada uma destas funções.

Recursos

Através do aplicativo original é possível ter acesso a uma série de recursos que tornam o Osmo Mobile 2 tão incrível. Funcionalidade como Timelapse, tão comum em diversos aplicativos de filmagem (incluíndo o nativo do iPhone) é expandida e levada a outro nível. Além da funcionalidade normal deste tipo de filmagem o conjunto aplicativo/gimbal permite fazer Hyperlapse e Motionlapse.

O Timelapse comum é aquela técnica em que a câmera fica parada e registra diversas fotos em sequencia com intervalos curtos entre elas e no final forma-se um vídeo com isso. Já o Hyperlapse segue a mesma ideia, mas com você que está filmando em movimento. Já o Motionlapse o gimbal fica parado mas a câmera vai virando de um lado para outro onde é possível escolher inclusive diversos pontos nos quais ela irá apontar.

Claro que recursos como filmagem normal, câmera lenta, iluminação, foco e outros fazem parte do pacote como era de se esperar. Mas um outro recurso extra é, na minha opinião, o mais interessante. Há uma configuração bem simples de utilizar que permite travar o foco em determinado objeto/pessoa. Muito útil para quem gosta de se filmar (Youtubers) já que com esta função o smartphone no gimbal fica seguindo o “alvo”.

Uma novidade neste aparelho em relação ao seu modelo anterior é que a bateria interna (que chega a  durar até 15 horas de uso) pode também carregar a bateria do smartphone. Basta conectar um cabo na porta traseira do gimbal e no seu celular. Dá até mesmo para carregar a bateria interna ao mesmo tempo em que se carrega a do smartphone.

Aplicativo(s)

O aplicativo padrão, DJI GO, é bem completo e trás diversos recursos bem interessantes para a dupla smartphone/gimbal, é a melhor opção para utilizar o Osmo Mobile 2. Ele na verdade é o mesmo utilizado para manusear outros produtos da DJI como outros gimbals e até seus drones. Dentro dele há também um editor de vídeos, a Skypixel, uma rede social estilo Instagram para usuários de produtos da DJI, acesso à loja, forum, suporte, programa de afiliados e o Flight Records que mostra seus dados de voos com drones.

Reparou que neste tópico eu disse “aplicativo(S)”, no plural? Pois é, o DJI GO não é o único que consegue controlar o Osmo Mobile 2. Há um outro aplicativo chamado FILMIC Pro que também consegue. Este é, na opinião de diversos profissionais da área de filmagens (e na minha também), o melhor aplicativo do tipo para os iPhones. É o que conta com os recursos de filmagem mais avançados que conheço.

Não vou entrar em detalhes sobre este aplicativo aqui, tem tantos recursos que daria para vários posts. Mas para ter uma ideia do que ele é capaz, vários dos melhores “cineastas móveis” profissionais o utilizam inclusive para gravar longa-metragens (alguém ainda usa este termo?). O FILMIC tem um custo de R$50,00, uma compra interna de R$32,90 e um aplicativo extra para controle/tela extra de também R$32,90. É uma brincadeira bem cara, então é melhor deixar para os profissionais da área e ficar com o DJI GO mesmo já que é gratuito.

Acessórios

O Osmo Mobile 2 por si só já é uma grande aquisição e não precisa de mais nada extra, mas ainda assim ele pode ser acrescido de acessórios diversos caso necessite. Na parte inferior há uma conexão padrão de acessórios de fotografia/filmagem, assim dá para utilizá-lo em tripés, sliders, tiras de pulso/pescoço, com a base própria (vendida à parte), suporte para microfone e/ou iluminação… o céu o bolso é o limite.

Vale a pena comprar?

Se você não se interessa por fazer filmagens mais fluidas/niveladas e está satisfeito com o resultado que produz apenas com seu smartphone digo para guardar seu dinheiro para outra coisa. Mas se pretende melhorar seus vídeos e produzir com qualidade semi-profissional, se é um Youtuber, aspirante a cinegrafista ou algo do tipo vá lá e compre um destes para ontem. Vale cada centavo.

Quanto custa? Em “terra brasilis” está saindo em torno de R$1400,00, mas em vários sites estrangeiros dá para pagar a metade disso. Só torça para não ser taxado na Receita Federal. Isso pode acabar deixando pelo mesmo preço cobrado por aqui e ainda ter de esperar quase uma eternidade para chegar.

Claro que eu não deixaria de postar um vídeo que gravei utilizando o Osmo Mobile 2. Dêem uma olhada abaixo para tirar suas próprias conclusões sobre o resultado:

Informações de saúde nos exercícios físicos. Você sabe a melhor maneira de utilizar?

Como aproveitar as informações de seus exercícios?
Como aproveitar as informações de seus exercícios?

Não é de hoje as pessoas utilizam smartphones, smartbands e/ou relógios dedicados para praticar esportes. Falar em GPS, medição de frequência cardíaca, ritmo, medição de sono, contagem de calorias e tantas outras coisas é algo bem comum. Não precisa ser um geek para perceber isso, basta dar uma olhada em corridas de rua, academia, ir a algum parque para ver quantas pessoas fazem isso ou simplesmente abrir o Instagram para ser bombardeado por fotos com informações de exercícios.

Geramos muitos dados toda vez que praticamos algum tipo de esporte. São dados como distância percorrida, contagem de passos, calorias gastas e/ou consumidas, batimentos cardíacos, saturação de oxigênio, pressão arterial, lances de escadas subidos, tempo em pé, tempo de repouso e outros mais complicados como swolf, pace, potência e outros. Ufa!

Mas o que fazer com tudo isso? Será que você está tirando o melhor proveito destas informações? Se você é um atleta profissional e conta com um treinador competente claro que este saberá o que fazer, mas as dicas aqui não são para este público. Hoje vou falar o que eu, geek esportista amador, faço com meus dados. Quem sabe isso sirva para que você possa aproveitar melhor as suas informações ou até ajude a motivar a sair do sedentarismo.

Neste artigo vou citar vários aplicativos já citados aqui no NPossibilidades, para maiores detalhes sobre estes basta clicar em seus links correspondentes.

Captura de dados

Antes de pensar em utilizar algum dado é preciso capturá-lo e para isso o que mais temos à disposição são opções que vão das mais simples, passando pelas gratuitas até as mais caras,  e chegando até as mais complexas.

Vamos do básico: Aplicativos em smartphones. Existem os mais diversos para os mais variados esportes. Nomes como Nike+, Runtastic, Strava e outros são bastante comuns e fáceis de encontrar e atendem muito bem, mas são apenas os mais comuns, abaixo irei citar outros. Já algumas pessoas preferem opções mais dedicadas como relógios da Garmin, Suunto, Polar, Apple Watch ou pulseiras esportivas (smartbands).

Eu fico com uma mescla de dois tipos de solução. Utilizo um relógio Suunto Ambit 3 Sport que me permite fazer medições em todos os esportes que pratico (e até dos que um dia talvez faça) e junto a ele diversos aplicativos para estipular treinos e capturar informações variadas.

Alguns dos aplicativos são os da suite Freeletics (Bodyweight, Running e Gym), Nike+ Training, SWORKIT pro, diversos da Runtastic (PushUps, PullUps, SitUps, Six Pack, Leg Trainer, Butt Trainer e Squats), Fitness Point Pro e My Asics.

Todos este são para exercícios, mas a captura não termina ai. Utilizo também alguns para outras informações pertinentes à saúde. Dentre eles iCare Monitor (para medir pressão arterial, ritmo cardíaco, capacidade pulmonar, frequencia respiratória…), Sleep Cycle (qualidade do sono), Breathe+ (relaxamento – a vida precisa de pausas), Saldo de Água (lembrar de me hidratar) e MyFitnessPal (para ajudar na dieta).

Sincronização

RunGap - aplicativo para sincronizar dados entre diversos outros aplicativos
RunGap – aplicativo para sincronizar dados entre diversos outros aplicativos

Alguns dos aplicativos citados acima armazenam informações no Apple Saúde automaticamente, o que facilita bastante. Outros não fazem isso por puro desinteresse de seus desenvolvedores, como é o caso do Movescount (aplicativo do relógio Suunto). O que faço então é deixar meu relógio armazenar as informações durante os exercícios os quais são passados para o Movescount. Após isso aciono o aplicativo RunGap que permite fazer sincronização de diversas fontes diferentes (Garmin Connect, RunKeeper, Endomondo, Nike+, MapMyRun, Strava, Runtastic, SportsTracker, PolarFlow, Suunto Movescount), TomTom MySports, Adidas miCoach, TrainingPeaks, SportTracks, SmashRun, Magella Active, Dailymile, Fitbit, 2Peak, Løberute.dk, Polar Personal Trainer…) para o Apple Saúde ou vice versa.

Análise

Até aqui nada de diferente, tirando a quantidade de aplicativos (sim eu sei, sou viciado em aplicativos). Mas e a parte de “aproveitar os dados”? É agora que começa a brincadeira. Meu primeiro passo após a captura dos dados é o armazenamento em um local onde posso fazer algum tipo de análise. Como sou usuário de iPhone minha escolha óbvia é o Saúde (aplicativo nativo também conhecido como Apple Health). Para o Android acredito que o Samsung Health deva ser muito bom (desculpem não o conheço bem) e faça algo parecido (quem sabe até melhor?).

TactioSaúde - Aplicativo para analisar dados de saúde
TactioSaúde – Aplicativo para analisar dados de saúde

Para análise o Saúde não é dos melhores, mas serve como um agregador de informações. É nele que armazeno tudo gerado nos aplicativos citados acima e é a partir dele que outros aplicativos neste sentido conseguem trabalhar. Um dos melhores em minha opinião é o TactioHealth. Já comentei sobre ele anteriormente (confira aqui) mas basicamente o que este faz é mostrar como anda a sua saúde baseado em todas as informações que você gera. Ele até mostra gráficos como tantos outros, mas o melhor fica por conta dos resultados. Por exemplo, com suas informações sobre sono ele irá te dizer se dormiu o suficiente ou se as noites mal dormidas estão afetando a sua cognição. Qual o seu risco cardiovascular baseado na sua frequência cardíaca, quão saudável anda seu estilo de vida e outras informações.

Zones mostra informações sobre seus últimos exercícios
Zones mostra informações sobre seus últimos exercícios

Um outro que comecei a utilizar recentemente mas que tenho gostado bastante é o Zones. Ele consulta o Apple Saúde e mostra informações sobre seus últimos exercícios. São dados como tempo em cada zona cardíaca, calorias gastas, tempo, ritmo, intensidade e outros. Estatísticas comparativas entre seus esportes praticados em cada semana e outros. Sim, vários outros aplicativos mostram este tipo de coisa, mas o melhor vem agora. Você consegue neste criar painéis com visões diversas sobre seus exercícios da maneira que desejar. Por exemplo: Quais foram as suas corridas mais distantes (este ano, ano passado…)? Quais pedaladas você gastou mais calorias? Como anda o seu gasto mensal/semanal de calorias? Top 10 distancias praticadas por você na natação. Em que esporte você queimou mais calorias?… Como disse, o aplicativo permite que você faça os seus painéis comparativos.

HealthView - Quadro de informações
HealthView – Quadro de informações

O HealthView é uma espécie de “quadro geral” com todas as informações armazenadas no Apple Saúde. Totalmente personalizável, ele permite filtrar quaisquer dados que você achar mais relevantes e mostrar gráficos que podem ser divididos entre o dia atual, da semana, do mês e do ano. Conta também com um widget no qual você escolhe três dados para apresentar.

Stepz - Contagem de passos com direito a disputa entre amigos
Stepz – Contagem de passos com direito a disputa entre amigos

Stepz aplicativo para contagem de passos. Sim, é o mais simples dos aplicativos de análise desta lista, mas é interessante para ter uma idéia do quão ativo você fica durante o dia. Um lado interessante do Stepz é que além de te alertar como você anda (tuntiss) ele traz um pouco de “gameficação” para ajudar a manter o ritmo. Para isso conta com badges de conquistas e uma disputa saudável entre você e seus amigos para ver quem dá mais passos durante o dia.

Fitness Point - Musculação e medições
Fitness Point – Musculação e medições

O Fitness Point que falei acima na parte sobre captura de dados tem uma pequena parte na qual você pode analizar como anda o seu “crescimento”. É que além dele ter toda a parte de exercícios para quem pratica academia ele gera gráficos com suas medidas corporais. Útil para quem deseja este tipo de informação.

Outro interessante é o Deadline. Ele analisa seus dados de saúde, compara com os resultados de um questionário que você preenche e diz em que idade você irá morrer. Alguns vão dizer que é um pouco mórbido, mas depende de como você observa. Ele fica verificando o Apple Saúde e conforme você se exercita ele te mostra o quanto você aumentou sua expectativa de vida. Nada é oficial, não passa de uma brincadeira, mas é bom ter aquela sensação de que estamos no caminho certo mantendo um estilo de vida mais saudável.

QS Access - Importar dados para planilha
QS Access – Importar dados para planilha

QS Access – Esta dica vai para quem precisa exportar os dados do Apple Saúde para alguma outra aplicação, programa mais detalhado, seu médico… Este aplicativo permite criar planilhas no formato CSV com dados de TODOS os tipos armazenados por lá. Isso mesmo todos os dados de todos os tipos… tudo.

Descontos, dinheiro “fácil” e caridade

Aplicativo disponível para iOS e Android
Aplicativo disponível para iOS e Android

Sim, é possível conseguir descontos para compra de produtos através dos seus dados gerados durante exercícios. A dica não é nova mas ainda assim é válida. O aplicativo Heartbit (antigo Mova Maisveja aqui) faz isso. Pena que só aceita dados de caminhada, corrida e bicicleta. Além deste probleminha há ainda a falta de sincronização com diversos aplicativos de exercício. Fácil de resolver se o seu aplicativo preferido consegue sincronizar com o Strava. Basta ligar uma conta na outra e pronto, seus dados irão para o Heartbit, é assim que faço para meus dados do Movescount irem para lá.

Já a parte de ganhar dinheiro “fácil” fica por conta do aplicativo Beeminder. Nele você cria desafios pessoais os quais terá de realizar. Cumpriu o desafio recebe por isso, não fez paga para a empresa por trás do aplicativo. O Beeminder fica de olho nas suas metas através do Apple Saúde ou algumas outras opções à suas escolha.

Charity Miles - Aplicativo doa dinheiro para ONGs por seus exercícios
Charity Miles – Aplicativo doa dinheiro para ONGs por seus exercícios

Que tal além de descontos e dinheiro ajudar outras pessoas? Com o Charity Miles você ajuda em causas sociais diversas. Basta se exercitar que as empresas parceiras fazem doações para alguma das ONGs cadastradas, e você escolha qual delas. Para mais detalhes confira aqui.

Existem outras formas de aproveitar todas estas informações mas por hoje chega. O post já está muito grande e irei deixar para voltar a falar sobre este assunto outro dia. Aproveitem bem estas dicas e seus exercícios.

Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.

Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.
Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.

Como alguns sabem, sou (ou era) usuário assíduo do aplicativo Nike+ Run Club em meus treinos. Sempre considerei este uma das melhores opções para me ajudar na preparação para provas de corrida de rua. Infelizmente de uns tempos para cá a coisa não tem sido tão boa como imaginei com seu uso.

Primeiro tiraram recursos bem legais como os desafios entre amigos e as medalhas de incentivo. Achei que era algo temporário e que voltaria em alguma atualização mas até do site foi removido. Depois vieram os constantes travamentos e perdas de dados de treinamento. E como se isso não bastasse veio a atualização de Fevereiro que impossibilitou o uso do aplicativo já que sequer permitia que eu o abrisse.

Reparem bem nesta informação: Desde Fevereiro sem conseguir abrir o aplicativo. É algo que simplesmente não dá para acontecer em se tratando de uso em treinamentos feitos quatro vezes por semana.

Se observarem nos comentários deixados sobre este aplicativo tanto na App Store quanto na Google Play é possível perceber o descontentamento de vários usuários desde que lançaram as atualizações deste ano (respectivamente 2 e 14 de Fevereiro na versão iPhone e 31 de Janeiro para Android). De lá para cá nada foi feito para corrigir os problemas ou melhorar a experiência de uso e as queixas só aumentaram.

Até mesmo a sincronização que existe com o Training Club (também da Nike) anda apresentando problemas. Não foram raras as vezes em que tentei escolher um plano de treinamento e este ter me apresentado um conflito. Era preciso excluir o treino do Run Club, escolher um no Training Club para só então voltar com o primeiro. Confuso? Sim, muito.

Com os constantes travamentos, tentei ficar com as metas traçadas e marcar manualmente no aplicativo após cada treino. No começo funcionava mas depois até desta forma ficou inviável já que mais travamentos me impediam. Apenas hoje (data de publicação deste post) é que conseguir fazer funcionar novamente o aplicativo, e isso depois de desinstalar e reinstalar várias vezes.

Além dos problemas citados acima, outra motivo que me fez deixar de utiliza-lo foram os treinos recomendados pelo aplicativo. Antes pareciam mais concisos e percebia melhora em meu condicionamento, mas nos últimos meses, mesmo seguindo à risca, não percebia mais qualquer ganho. Pelo contrário, as mudanças automáticas que o sistema faz estavam, em grande parte, me obrigando a correr cada vez menos (tempo e velocidade). Não consigo entender a lógica disso se a meta que tracei nele era correr uma maratona.

Parece que a Nike focou o desenvolvimento deste aplicativo mais em compartilhamento de corridas nas redes sociais e se esqueceu de corrigir os constantes problemas relatados por seus usuários. Pena.

Por conta destes e outros problemas é que deixei de usar o Nike+ Run Club. Hoje sigo as orientações do aplicativo My Asics que está se mostrando ainda melhor do que eu pensava. Estou correndo mais e com treinos progressivos cada vez maiores. Não enfrento qualquer dos defeitos no Nike e tenho me sentido mais confiante na minha meta. Vamos ver se a Nike consegue corrigir estes problemas, da forma como está ela pode ver sua base de usuários começar a cair logo.

Planilha de planilhas de aplicativos para correr/malhar? Como assim?

Planilha de planilhas de aplicativos
Planilha de planilhas de aplicativos

Outro dia publiquei no Instagram uma imagem (parecida com esta acima) com uma planilha que criei de aplicativos que estou utilizando para me exercitar. Algumas pessoas vieram me perguntar o que era isso afinal de contas é comum o uso de planilhas de treinos, por exemplo para corridas, mas não de aplicativos.

Apesar de parecer algo diferente, minha ideia é até que bem simples. Atualmente estes são os aplicativos que mais utilizo para treinar. Sigo as orientações destes para condicionar meus treinos. Mas como são muitos (e meu tempo curto) estava difícil utilizá-los sem algum tipo de organização. Sendo resolvi colocar ordem na bagunça e resultou nesta planilha.

O que fiz foi o seguinte: Comecei com meu foco que é correr uma maratona, então parti primeiro para configurar uma planilha de treinos de corrida dentro do aplicativo My Asics. Este resultou em quatro dias por semana. Com isso fui fazendo o mesmo com os outros mas tentando encaixar suas rotinas nos outros dias. Sendo assim tenho agora uma “planilha de planilhas” de treinos diversos.

É a melhor solução? Não faço ideia, mas é a que melhor consegui para mim. Vai dar certo? Espero que sim, veremos no dia da Maratona do Rio de Janeiro que é minha meta.

Já estava esquecendo de dizer quais são estes aplicativos. Vamos a eles:

Detalhe: Todos estes aplicativos estão disponíveis tanto para iOS quanto para Android. Alguns são gratuitos, outros possuem versões pagas.

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? É possível?

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?
Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?

Hoje vou falar sobre uso de aplicativos de corrida, mas não citarei algum específico como normalmente faço. Desta vez quero falar um pouco sobre experiência com o uso destes na minha “vida de corredor” e se é possível treinar apenas com este recurso, sem ir à academias, fazer parte de grupo de corrida ou consultar algum personal trainer.

Não estou aqui dizendo que a maneira tradicional não tenha seu valor, longe disso. Um profissional sério pode e irá te proporcionar uma ótima maneira de sair do sedentarismo e/ou ganhar melhor performance. Mas pense bem. E se estas opções não estiverem disponíveis vai ficar sem treinar? Vai que onde você mora não tenha nada disso, ou que você não tenha dinheiro para custear seus treinos. O que quero mostrar é que estes não são os únicos caminhos para que você possa virar um corredor (ciclista, nadador e o que mais quiser). Seria possível treinar apenas com o uso de aplicativos?

Acredito que para provar que seja possível correr de forma satisfatória (o que varia com o objetivo de cada um) terei de contar um pouco do que eu fiz desde que comecei a participar de provas de rua. Veja bem, não sou corredor profissional, treinador ou mesmo da área de saúde, o que falo aqui é sobre a minha experiência aplicada aos meus treinos. Apenas isso.

Vamos lá! Entrei nessa de correr no final de 2013. Como bom geek procurei auxilio nos gadgets que já tinha por perto (smartphone, frequencímetro e fones de ouvido) e “corri para a esteira”. Até pensei em buscar ajuda com algum profissional da área mas devido aos meus horários malucos na época e uma “descapitalização” ($$$) tive de deixar essa alternativa de lado. Foi então que resolvi procurar os aplicativos.

Foram muitos os testes com diversos aplicativos, partindo dos mais famosos aos mais alternativos. Alguns foram úteis, outros não tanto, diversos dispensáveis e outros bastante interessantes (confira uma lista aqui).

Nesta época ouvi críticas de algumas poucas pessoas por tentar fazer assim e percebi diversas “torcerem o nariz” para essa ideia, mas ainda assim não desisti. Após as primeiras provas de 5km alguns corredores mais antigos vinham me dar parabéns meio que com desdém. Mais ou menos como quem diz para uma criancinha “que lindo seu desenho. O que é isso?”.

Quando resolvi aumentar a meta e participar das provas de 10km foi unanime: “Você agora precisa entrar para um grupo de corrida, sozinho será muito difícil”. Não gostei disso e achei que daria conta. Aumentei o nível dos treinos exigindo mais dos aplicativos e de mim. Primeira prova nesta nova distância não foi das melhores mas consegui completar. Claro que ouvi gente dizer: “Não falei? É melhor procurar um personal.”.

Continuei treinando, testando aplicativos e mudando suas configurações para personalizá-los ao meu ritmo/objetivo. Algumas provas de 10km depois esbravejei minha vontade de uma prova de 10 milhas (16km). Esta é uma distância intermediária recomendada para quem quer fazer a transição para a meia maratona. Mesmo tendo provado que até ali tinha conseguido treinar apenas com aplicativos teve gente que disse: “Agora você precisa de uma planilha de algum treinador, sem isso será impossível”. Não foi por mal, acredito que tenha sido na melhor das intenções e que apenas queria me ajudar, mas ainda assim fui de aplicativos.

Por fim conclui as 10 milhas melhor do que imaginava, com um tempo razoável e sem lesões. Para falar a verdade em alguns momentos antes da corrida achei que não conseguiria. Mais uma vez os aplicativos de corrida e exercícios se mostraram eficientes.

Próxima meta? Claro, foi a meia maratona. Escolhi uma prova com bastante tempo de antecedência para poder treinar bem e lá fui novamente mexer nos aplicativos para aumentar o nível. Foi então que apareceu uma prova de trilha com 21km no meio do caminho (que acabou virando 23km por mudança no percurso). Como estava com um nível bom resolvi me testar correndo nesta. Pensei que não seria tão difícil e que como era em trilha não precisaria me preocupar em tempo, que era só concluir.

Que engano, foi a mais difícil que já fiz até hoje e a que mais exigiu de mim. Foram muitas caibras e muita dor para concluí-la. Foi um erro correr uma prova assim? Em alguns aspectos diria que foi e que deveria ter treinado mais, mas por outro lado serviu para provar a mim mesmo que estava no caminho certo. Se consegui completar essa poderia fazer o mesmo no asfalto.

O que fiz? Já sabem, voltei a aumentar o nível dos treinos com os aplicativos, troquei alguns e procurei por novos. Resultado disso? Posso dizer com orgulho que perdi as contas de quantas vezes já fiz provas de cinco e dez quilômetros, já se foram doze meias maratonas, vários treinos de 30km, estou treinando para minha primeira maratona e penso em um dia correr uma ultramaratona. Tudo isso treinando apenas com aplicativos em meu smartphone.

Mas ai você deve estar se questionando se é correto treinar assim. Se perguntar para profissionais de educação física aposto que todos irão dizer que não. O que eu acho? Concordo com eles, esta não é a melhor maneira. Imagino que sequer seja considerada no meio profissional. Mas é a maneira que tenho feito e para mim está funcionando. Não tenho pretenção alguma de virar atleta de ponta, quero apenas alcançar meus objetivos pessoais, aprender a me superar e me divertir fazendo tudo isso com meus aplicativos.

Então, é possível treinar apenas baseado em aplicativos? Sim, é possível. Estou recomendando isso? Não, estou apenas dizendo que esta é a maneira que EU faço. Também não preciso lembrá-los de antes fazer seus exames médicos certo? Não sejam inconsequentes consigo mesmo.

Sobre correr uma maratona e uma ultramaratona? Um dia eu falo sobre isso, quando conseguir alcançar estes objetivos. 😉