E a Maratona treinando com aplicativos?

Há alguns meses escrevi um texto falando sobre minha ideia de treinar para corridas apenas com a utilização de aplicativos (texto completo aqui). Nesta época disse que voltaria a falar no assunto quando tivesse alcançado meu objetivo de completar uma maratona. E ai, será que deu certo?

Orgulhosamente posso dizer que sim, consegui correr uma maratona! Domingo passado (18 de Julho de 2017) participei da Maratona Caixa do Rio de Janeiro, uma das, se não a prova mais bonita do Brasil. Ok, tem uma ainda mais bonita em Fernando de Noronha, mas lá é meia-maratona (um dia corro essa).

Mas voltando ao assunto dos aplicativos, contrariando as expectativas de várias pessoas, treinei utilizando somente estes e consegui concluir os tão difíceis 42,195km da prova. E mais, terminei sem lesões, caibras ou distensões. Ah, e antes que alguém diga que isso pode ter sido por algum fator físico anterior ou sei lá o que, deixa te dizer só mais uma coisa: Logo completarei 40 anos e peso mais de 90kg. Se tudo isso não serve para mostrar que é possível treinar com aplicativo, não sei mais o que pode.

Certo, mas qual foi o escolhido? Dos vários aplicativos que testei durante o ano passado, acabei ficando mesmo com o MY ASICS Run Training nos últimos meses. Este foi o que trouxe para mim o melhor treino e também o que se encaixou com minhas possibilidades de horários. Até utilizei outros aplicativos neste período de treinamento, mas foram para exercícios de força e abdominais já que sou um cara pesado. Mas treino de corrida mesmo foi apenas com o da Asics.

Vou continuar treinando assim e com o mesmo aplicativo? Provavelmente sim, ainda estou meio dolorido, no período pós-prova e restam duas semanas de recuperação da “planilha” dele. Depois disso acho que irei pensar na próxima maratona (ainda sem previsão) e voltar a configurá-lo para recomeçar os treinos. Ultramaratona? Quem sabe um dia?

Mas enfim, se você que está lendo isso e pensa em escolher alguma forma de treinar, tá aqui uma opção. No mais, deixo abaixo o vídeo que fiz durante a prova.

Abraços e bons treinos.

Mudança no foco do NPossibilidades

Mudança no foco do NPossibilidades
Mudança no foco do NPossibilidades

O site NPossibilidades nasceu em 2008 com o intuito de “trocar idéias de uso no dia-a-dia, compartilhar minhas experiências e mostrar as “Npossibilidades” dos brinquedinhos eletrônicos” (essa eu busquei lá do primeiro post). De lá para cá já se passaram vários anos, as coisas mudaram e o site passou por diversas fases. Foi-se a era de aplicativos Symbian, de produtos Nokia, de cobertura de eventos, de notícias de tecnologia…

As duas primeiras fases já não fazem mais sentido (Symbian e Nokia chegaram ao fim há tempos) e as coberturas de eventos e notícias de tecnologia demandam um tempo e esforço que não dá mais para empregar. Além disso existem muitos grandes sites hoje em dia fazendo isso. Mas a ideia inicial, ou seja, a vontade de compartilhar o uso que faço de tecnologia móvel continua. Por isso chegou a hora de mais uma mudança no foco do site.

Hoje o uso mais intenso que tenho dos “brinquedinhos eletrônicos” é na prática esportiva em meus treinos e provas de corrida, nas pedaladas e em exercícios diversos. Então é natural que as coisas por aqui acabem tendendo para este caminho. É claro que isso não exclui um ou outro post sobre algo que eu considere interessante compartilhar, afinal de contas no nome “NPossibilidades” cabem muitos assuntos.

Tenho planos para incluir algumas novas áreas no site para assuntos um pouco diferentes, mas sempre com um toque de tecnologia móvel no dia a dia de forma simples e descomplicada. Estou preparando também mudanças para o canal no YouTube que anda um tanto abandonado. Boa parte disso tudo ainda está apenas no campo das idéias. Mas quem sabe o que o futuro trará?

Voltando ao presente, a mudança atual no site já começou a refletir no seu visual. Alguns pequenos detalhes já estão sendo implementados e áreas como “O que estou testando” (que mostra o que vem por ai) e “Próximas corridas” foram incluídas há algum tempo já pensando nesta transformação.

O perfil no Instagram foi o que mais mudou e este sim reflete bem o uso que tenho feito da tecnologia no dia-a-dia das atividades físicas. Além de mostrar diretamente algo sobre esportes que pratico, algum aplicativo e/ou acessório que estou utilizando, sempre há algo escondido. De forma bem discreta, geralmente há algum detalhe como a aplicação de efeitos e sobreposições de textos nas fotos e a edição de algum vídeo. Muitas vezes isso é feito durante os treinos e tudo isso feito sempre com dispositivos móveis.

Se repararem bem no site, vários dos últimos posts já tinham a temática de tecnologia no auxílio do esporte amador. Falei sobre aplicativos de corrida, pedaladas e exercícios diversos, alimentação saudável, acompanhamento de informações de saúde e também sobre acessórios para uso em esportes. Pois é este assunto que agora se junta ao mote principal do NPossibilidades.

Então se vocês gostam de esporte e de uma vida um pouco mais saudável, mas não querem viver sem tecnologia, me acompanhem nesta nova fase. Garanto que isso pode dar um rumo bem positivo à sua vida.

Nokia adquire Withings e mira em produtos de saúde

Nokia adquire Withings e mira em produtos de saúde
Nokia adquire Withings e mira em produtos de saúde

Sei que já comentei aqui que não iria mais falar sobre notícias. Mas como não comentar algo quando se une a minha “querida finlandesa” (sim a Nokia ainda existe), tecnologia e saúde? Três dos principais assuntos aqui do NPossibilidades. O que aconteceu foi que a Nokia anunciou publicamente a aquisição da Withings, empresa francesa especializada em gadgets e wearables de saúde. Ela agora será integrada à Nokia Technologies (parte não adquirida pela Microsoft).

Segundo o presidente da Nokia, Ramzi Haidamus, “a Withings partilha a nossa visão para o futuro da saúde digital e os seus produtos inteligentes e bem desenhados contribuem para vidas mais saudáveis. Combinando os seus produtos premiados e pessoas talentosas com a experiência de classe mundial e inovação da Nokia Technologies nos posiciona exclusivamente para liderar a próxima onda de inovação em saúde digital”.

Ainda sobre a opinião da empresa, esta está otimista quanto ao crescimento do setor da saúde digital e conetada assim como o espaço ocupado no mercado pelo desenvolvimento da “Internet das Coisas”.

Para quem não conhece a Withings, ela se firmou neste mercado como uma das principais empresas deste nicho com ótimos produtos vencedores de inúmeros prémios em todo o mundo.  Dentre eles termômetros inteligentes, smartbands de atividades pessoais, balanças inteligentes e outros.

Não vejo a hora de que esta aquisição dê frutos com novos aparelhos, acessórios e aplicativos voltados para o esporte e/ou saúde.

Review Lifeproof Frē para iPhone 6

Review Lifeproof Frē para iPhone 6
Review Lifeproof Frē para iPhone 6

Se tem uma coisa que me atrai bastante são os acessórios. Mas não acessórios comuns que não trazem qualquer tipo de benefício. Gosto muito daqueles que expandem a utilidade dos nossos gadgets. O último que testei foi o case Frē da Lifeproof para iPhone 6. Este permite utilizar o smartphone em situações nas quais normalmente não o levaríamos.

O Frē é um case especial resistente à água, quedas, poeira e neve mas que permite, ainda assim, o acesso a todas as principais funcionalidades do aparelho. Dentre elas tela, botões de controle, câmera, saída/entrada de áudio, porta de carregamento de bateria e até mesmo o TouchID no caso do iPhone.

À primeira vez que se olha para o case a impressão é de que não será tão resistente, mas acreditem, o produto é muito bom. Fiz alguns testes antes de colocar à prova e me pareceu que iria atender bem. Foram testes básicos de imersão em água como recomendado pelo fabricante. Primeiro sem o iPhone e depois com ele. Só depois é que me atrevi a levar para um “teste de campo”. Confiram no vídeo abaixo:

Além do uso que fiz durante um final de semana na praia e no Beach Park, pretendo utilizar também em meus treinos de corrida e nas provas. Assim evitará qualquer problema com água e quedas. No dia a dia normal acho que o case incomoda um pouco por deixar o iPhone um pouco grande, então não pretendo utilizá-lo assim.

Um ponto fraco no uso do case é que ele diminui bastante a precisão do toque na tela quando está molhado, embaixo d’água então não é possível, por exemplo começar uma filmagem. Para isso terá de dar o comando antes de submergir o aparelho. Há também um probleminha quando está caindo muita água sobre o aparelho. O iPhone se perde um pouco e por várias vezes entende que as gotas são toques na tela, assim não estranhe se vez ou outra ele mudar o que está fazendo. Mas ai é algo que não vejo muito como corrigir.

Sobre o preço, o case não é dos mais baratos, chega a ser mais caro do que alguns smartphones (preço normal é na faixa dos R$450), mas se você quer poder utilizar o aparelho em situações às quais nunca o levaria, vale o investimento. Levando em consideração o preço de um iPhone aqui no Brasil é sempre bom garantir mais proteção.

Aqui cabe um adendo referente ao atendimento da Lifeproof que merece ser publicado. O meu case não foi comprado no Brasil, um amigo que o trouxe para mim. Nos primeiros testes ele apresentou defeito e entrou água. Neste momento pensei: “Dinheiro jogado fora”. Foi então que entrei em contato com o fabricante Link para site oficial do fabricante. Lá existe uma opção para acionar a garantia. Bastou preencher um formulário com algumas informações e enviar uma foto do produto. Sem perguntas ou burocracia enviaram um e-mail de desculpas pelo ocorrido e em menos de uma semana já estava em minha casa um novo case com todas as despesas de envio internacional e impostos pagos por eles. Se fosse alguma outra empresa aqui no Brasil já sabem como seria o atendimento…

Por isso e pela qualidade do case, deixo aqui meus parabéns à equipe da Lifeproof. Isso foi uma ótima demonstração de respeito e pronto atendimento aos seus clientes. É assim que todas as empresas deveriam trabalhar.

Rádio FM em smartphones é realmente necessário?

Passado e futuro - Escolha seu rumo. Rádio FM em smartphones é realmente necessário?
Passado e futuro – Escolha seu rumo. Rádio FM em smartphones é realmente necessário?

Saiu uma notícia outro dia que está dando o que falar. Uma associação norte-americana (National Association of Broadcasters (NAB)) quer que fabricantes de smartphones ativem os receptores de FM instalados em seus produtos. A NAB alega que com esta ativação os usuários passariam a ter economia de bateria e de plano de dados já que atualmente há muita demanda por músicas via streaming online.

O pedido é justo? Do ponto de vista das tradicionais emissoras de rádio sim, mas e da evolução tecnológica? Pessoalmente não utilizo mais os serviços das FMs e AMs há bastante tempo pois troquei por podcasts. Sei que muitas pessoas ainda escutam suas músicas/notícias utilizando as rádios, mas vamos lá, já não está na hora de dar o próximo passo?

Não estou falando de músicas online como substituto, até porque acesso à Internet aqui no Brasil ainda é luxo e funciona bem mais ou menos. Esse manifesto da NAB me parece aquela “mania do velho” (não estou me referindo à idade), aquele apego ao antigo e medo do novo. Me lembrou a história de uma associação de livreiros brasileiros tentando impedir a entrada de livros digitais no país.

Mas o que poderia substituir as “frequências moduladas (FM)”? Simples, rádio digital. Sabiam que existem diversos padrões diferentes que poderiam ficar no lugar das transmissões atuais? Com isso há “melhoria da qualidade do som (rádio AM com qualidade de FM e rádio FM com qualidade de CD) e em mais opções para o ouvinte, como letreiros digitais com informações adicionais como notícias e previsão do tempo” – texto da Wikipédia.

Atualmente estão em uso/teste os seguintes formatos: IBOC (In-Band On-Channel) – americano, DAB (Digital Audio Broadcasting), DAB+ e DRM (Digital Radio Mondiale) – europeus, ISDB-TSB (Integrated Services Digital Broadcasting, Terrestrial, Segmented Band) – japonês e Sirius, XM e World Space (rádios via satélite). Ou seja, não faltam opções para ficar no lugar da antiga FM.

Mas voltando aos motivos da NAB. Para mim fica claro que ela está fazendo isso pois as emissoras de rádio normais perderam seus usuários com tantas opções online chegando ao mercado. Já do lado das fabricantes de smartphones, principalmente a Apple, a idéia é vender música ou assinatura de serviços online.

Que tal a gente “pensar fora da caixinha” (ok, frase bem manjada) e começar a conhecer outras opções ao invés de ficar olhado para trás?