Osmo Mobile 2 – Este estabilizador para filmagens com smartphones vale a compra?

Gimbal Osmo Mobile 2
Gimbal Osmo Mobile 2

Há algum tempo tenho me dedicado a um dos meus hobbies prediletos: produção de vídeos. Para isso, além de estar estudando sobre captura de imagens, ângulos, iluminação… o estudo de edição de vídeos também se tornou uma constante. Mas claro que para isso também tenho lido e testado alguns equipamentos e acessórios tais como tripés, sliders, dolly skaters e outros. Neste sentido recentemente adquiri um equipamento que sempre tive curiosidade de testar, um gimbal.

Um gimbal, a grosso modo, é um suporte para sua câmera que consegue estabilizar o movimento, por exemplo, de caminhar enquanto filma. Para quem faz vídeos parados (você sentado em frente à uma câmera como a maioria dos Youtubers) pode até ser um acessório dispensável, mas se pretende gravar em movimento e com mais qualidade a coisa muda bastante com um destes.

Osmo Mobile 2 em detalhes

O gimbal em questão que tenho testado é o Osmo Mobile 2, um acessório da DJI (famosa pelos seus drones), mas este é específico para uso de smartphones. A empresa comercializa outros modelos deste tipo de equipamento para uso com diversos tipos de câmera, inclusive uma versão antiga também para smartphones. Esta nova versão, lançada este ano, veio para aprimorar ainda mais a experiência do primeiro Osmo Mobile.

Uma das novidades deste em relação ao antigo é a possibilidade de filmar com o smartphone na vertical. Não é algo que pessoalmente me agrada muito, mas para quem gosta de fazer vídeos para os Stories (Instagram, IGTV e outros) ajuda bastante.

Balanceamento

Ao “instalar” o smartphone no gimbal é preciso balanceá-lo para que fique no melhor equilíbrio possível. Isso faz com que sua filmagem fique sempre na posição correta, elimine quase que por completo o balanço ao caminhar e também ajuda a poupar bateria do acessório. Do contrário ele fará “mais força” para tentar corrigir tudo isso. No vídeo abaixo é mais fácil entender como funciona.

Utilizando o Osmo Mobile 2

O uso deste gimbal é bem mais simples do que eu imaginava, mesmo tendo ele diversos recursos que fazem a filmagem ficar com um ar de profissional. Após a instalação do aplicativo padrão e o balanceamento (ver acima) ele já está pronto para uso. Requer um pouco de treino para acostumar com o posicionamento dos botões, virar para um lado e para outro, para cima e para baixo… mas nada complicado e em alguns minutos já dá para começar a brincadeira. Além disso dá para ajustar, nas configurações, a velocidade dos movimentos além de inverter a direção do joystick.

Pode parecer um tanto estranho falar em mudar a direção do joystick mas para mim foi mais lógico fazer assim. Na configuração padrão ao pressionar para a esquerda a câmera vira para a direita e vice-versa. Funciona assim? Sim, mas leva tempo para o cérebro compreender que você está indicando que ao apontar o joystick para um lado é aquela lateral correspondente do smartphone que irá para frente. Preferi fazer a inversão para indicar com o joystick para que lado ele deve virar a câmera e assim ficou bem mais fácil controlar o Osmo Mobile 2.

Botões

O aparelho conta com quatro botões que permitem fazer praticamente tudo, o resto se faz tocando a tela do smartphone. Na lateral há um botão deslizante que serve para aumentar/diminuir o zoom, na frente um outro vermelho de disparo tanto para fotografia quanto para filmagem e o já citado joystick para direcionar a câmera. 

Botões e conexões

Abaixo destes, marcado com a letra M, há um botão multiuso. Ele serve para ligar/desligar o Osmo Mobile 2, para alternar entre câmera frontal e traseira, para travar/soltar o movimento de subida/descida da câmera e também para fazer com que ela volte para a posição inicial. Para tudo isso é preciso decorar a quantidade de cliques para cada uma destas funções.

Recursos

Através do aplicativo original é possível ter acesso a uma série de recursos que tornam o Osmo Mobile 2 tão incrível. Funcionalidade como Timelapse, tão comum em diversos aplicativos de filmagem (incluíndo o nativo do iPhone) é expandida e levada a outro nível. Além da funcionalidade normal deste tipo de filmagem o conjunto aplicativo/gimbal permite fazer Hyperlapse e Motionlapse.

O Timelapse comum é aquela técnica em que a câmera fica parada e registra diversas fotos em sequencia com intervalos curtos entre elas e no final forma-se um vídeo com isso. Já o Hyperlapse segue a mesma ideia, mas com você que está filmando em movimento. Já o Motionlapse o gimbal fica parado mas a câmera vai virando de um lado para outro onde é possível escolher inclusive diversos pontos nos quais ela irá apontar.

Claro que recursos como filmagem normal, câmera lenta, iluminação, foco e outros fazem parte do pacote como era de se esperar. Mas um outro recurso extra é, na minha opinião, o mais interessante. Há uma configuração bem simples de utilizar que permite travar o foco em determinado objeto/pessoa. Muito útil para quem gosta de se filmar (Youtubers) já que com esta função o smartphone no gimbal fica seguindo o “alvo”.

Uma novidade neste aparelho em relação ao seu modelo anterior é que a bateria interna (que chega a  durar até 15 horas de uso) pode também carregar a bateria do smartphone. Basta conectar um cabo na porta traseira do gimbal e no seu celular. Dá até mesmo para carregar a bateria interna ao mesmo tempo em que se carrega a do smartphone.

Aplicativo(s)

O aplicativo padrão, DJI GO, é bem completo e trás diversos recursos bem interessantes para a dupla smartphone/gimbal, é a melhor opção para utilizar o Osmo Mobile 2. Ele na verdade é o mesmo utilizado para manusear outros produtos da DJI como outros gimbals e até seus drones. Dentro dele há também um editor de vídeos, a Skypixel, uma rede social estilo Instagram para usuários de produtos da DJI, acesso à loja, forum, suporte, programa de afiliados e o Flight Records que mostra seus dados de voos com drones.

Reparou que neste tópico eu disse “aplicativo(S)”, no plural? Pois é, o DJI GO não é o único que consegue controlar o Osmo Mobile 2. Há um outro aplicativo chamado FILMIC Pro que também consegue. Este é, na opinião de diversos profissionais da área de filmagens (e na minha também), o melhor aplicativo do tipo para os iPhones. É o que conta com os recursos de filmagem mais avançados que conheço.

Não vou entrar em detalhes sobre este aplicativo aqui, tem tantos recursos que daria para vários posts. Mas para ter uma ideia do que ele é capaz, vários dos melhores “cineastas móveis” profissionais o utilizam inclusive para gravar longa-metragens (alguém ainda usa este termo?). O FILMIC tem um custo de R$50,00, uma compra interna de R$32,90 e um aplicativo extra para controle/tela extra de também R$32,90. É uma brincadeira bem cara, então é melhor deixar para os profissionais da área e ficar com o DJI GO mesmo já que é gratuito.

Acessórios

O Osmo Mobile 2 por si só já é uma grande aquisição e não precisa de mais nada extra, mas ainda assim ele pode ser acrescido de acessórios diversos caso necessite. Na parte inferior há uma conexão padrão de acessórios de fotografia/filmagem, assim dá para utilizá-lo em tripés, sliders, tiras de pulso/pescoço, com a base própria (vendida à parte), suporte para microfone e/ou iluminação… o céu o bolso é o limite.

Vale a pena comprar?

Se você não se interessa por fazer filmagens mais fluidas/niveladas e está satisfeito com o resultado que produz apenas com seu smartphone digo para guardar seu dinheiro para outra coisa. Mas se pretende melhorar seus vídeos e produzir com qualidade semi-profissional, se é um Youtuber, aspirante a cinegrafista ou algo do tipo vá lá e compre um destes para ontem. Vale cada centavo.

Quanto custa? Em “terra brasilis” está saindo em torno de R$1400,00, mas em vários sites estrangeiros dá para pagar a metade disso. Só torça para não ser taxado na Receita Federal. Isso pode acabar deixando pelo mesmo preço cobrado por aqui e ainda ter de esperar quase uma eternidade para chegar.

Claro que eu não deixaria de postar um vídeo que gravei utilizando o Osmo Mobile 2. Dêem uma olhada abaixo para tirar suas próprias conclusões sobre o resultado:

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? É possível?

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?
Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?

Hoje vou falar sobre uso de aplicativos de corrida, mas não citarei algum específico como normalmente faço. Desta vez quero falar um pouco sobre experiência com o uso destes na minha “vida de corredor” e se é possível treinar apenas com este recurso, sem ir à academias, fazer parte de grupo de corrida ou consultar algum personal trainer.

Não estou aqui dizendo que a maneira tradicional não tenha seu valor, longe disso. Um profissional sério pode e irá te proporcionar uma ótima maneira de sair do sedentarismo e/ou ganhar melhor performance. Mas pense bem. E se estas opções não estiverem disponíveis vai ficar sem treinar? Vai que onde você mora não tenha nada disso, ou que você não tenha dinheiro para custear seus treinos. O que quero mostrar é que estes não são os únicos caminhos para que você possa virar um corredor (ciclista, nadador e o que mais quiser). Seria possível treinar apenas com o uso de aplicativos?

Acredito que para provar que seja possível correr de forma satisfatória (o que varia com o objetivo de cada um) terei de contar um pouco do que eu fiz desde que comecei a participar de provas de rua. Veja bem, não sou corredor profissional, treinador ou mesmo da área de saúde, o que falo aqui é sobre a minha experiência aplicada aos meus treinos. Apenas isso.

Vamos lá! Entrei nessa de correr no final de 2013. Como bom geek procurei auxilio nos gadgets que já tinha por perto (smartphone, frequencímetro e fones de ouvido) e “corri para a esteira”. Até pensei em buscar ajuda com algum profissional da área mas devido aos meus horários malucos na época e uma “descapitalização” ($$$) tive de deixar essa alternativa de lado. Foi então que resolvi procurar os aplicativos.

Foram muitos os testes com diversos aplicativos, partindo dos mais famosos aos mais alternativos. Alguns foram úteis, outros não tanto, diversos dispensáveis e outros bastante interessantes (confira uma lista aqui).

Nesta época ouvi críticas de algumas poucas pessoas por tentar fazer assim e percebi diversas “torcerem o nariz” para essa ideia, mas ainda assim não desisti. Após as primeiras provas de 5km alguns corredores mais antigos vinham me dar parabéns meio que com desdém. Mais ou menos como quem diz para uma criancinha “que lindo seu desenho. O que é isso?”.

Quando resolvi aumentar a meta e participar das provas de 10km foi unanime: “Você agora precisa entrar para um grupo de corrida, sozinho será muito difícil”. Não gostei disso e achei que daria conta. Aumentei o nível dos treinos exigindo mais dos aplicativos e de mim. Primeira prova nesta nova distância não foi das melhores mas consegui completar. Claro que ouvi gente dizer: “Não falei? É melhor procurar um personal.”.

Continuei treinando, testando aplicativos e mudando suas configurações para personalizá-los ao meu ritmo/objetivo. Algumas provas de 10km depois esbravejei minha vontade de uma prova de 10 milhas (16km). Esta é uma distância intermediária recomendada para quem quer fazer a transição para a meia maratona. Mesmo tendo provado que até ali tinha conseguido treinar apenas com aplicativos teve gente que disse: “Agora você precisa de uma planilha de algum treinador, sem isso será impossível”. Não foi por mal, acredito que tenha sido na melhor das intenções e que apenas queria me ajudar, mas ainda assim fui de aplicativos.

Por fim conclui as 10 milhas melhor do que imaginava, com um tempo razoável e sem lesões. Para falar a verdade em alguns momentos antes da corrida achei que não conseguiria. Mais uma vez os aplicativos de corrida e exercícios se mostraram eficientes.

Próxima meta? Claro, foi a meia maratona. Escolhi uma prova com bastante tempo de antecedência para poder treinar bem e lá fui novamente mexer nos aplicativos para aumentar o nível. Foi então que apareceu uma prova de trilha com 21km no meio do caminho (que acabou virando 23km por mudança no percurso). Como estava com um nível bom resolvi me testar correndo nesta. Pensei que não seria tão difícil e que como era em trilha não precisaria me preocupar em tempo, que era só concluir.

Que engano, foi a mais difícil que já fiz até hoje e a que mais exigiu de mim. Foram muitas caibras e muita dor para concluí-la. Foi um erro correr uma prova assim? Em alguns aspectos diria que foi e que deveria ter treinado mais, mas por outro lado serviu para provar a mim mesmo que estava no caminho certo. Se consegui completar essa poderia fazer o mesmo no asfalto.

O que fiz? Já sabem, voltei a aumentar o nível dos treinos com os aplicativos, troquei alguns e procurei por novos. Resultado disso? Posso dizer com orgulho que perdi as contas de quantas vezes já fiz provas de cinco e dez quilômetros, já se foram doze meias maratonas, vários treinos de 30km, estou treinando para minha primeira maratona e penso em um dia correr uma ultramaratona. Tudo isso treinando apenas com aplicativos em meu smartphone.

Mas ai você deve estar se questionando se é correto treinar assim. Se perguntar para profissionais de educação física aposto que todos irão dizer que não. O que eu acho? Concordo com eles, esta não é a melhor maneira. Imagino que sequer seja considerada no meio profissional. Mas é a maneira que tenho feito e para mim está funcionando. Não tenho pretenção alguma de virar atleta de ponta, quero apenas alcançar meus objetivos pessoais, aprender a me superar e me divertir fazendo tudo isso com meus aplicativos.

Então, é possível treinar apenas baseado em aplicativos? Sim, é possível. Estou recomendando isso? Não, estou apenas dizendo que esta é a maneira que EU faço. Também não preciso lembrá-los de antes fazer seus exames médicos certo? Não sejam inconsequentes consigo mesmo.

Sobre correr uma maratona e uma ultramaratona? Um dia eu falo sobre isso, quando conseguir alcançar estes objetivos. 😉

Nike+ Run Club – Opinião após algumas semanas de treino

Aplicativo Nike+ Run Club
Aplicativo Nike+ Run Club

Já era para ter comentado sobre a atualização que a Nike fez em seu principal aplicativo, o Nike+ Running, que além da mudança no nome (agora Nike+ Run Club) sofreu uma metamorfose total. Demorei um pouco pois precisava testar na prática para poder conhecê-lo melhor.

Novidades

Antes de passar a minha opinião vou falar sobre as mudanças no aplicativo. Foram muitas e por isso vou citar apenas algumas:

  • Planos de treinamento – Já era um recurso presente na versão anterior, mas agora ficou mais personalizável. Comece escolhendo uma opção (Iniciante, Performance ou Prova específica) e depois entre com suas informações pessoais.
  • Adaptativo – Para mim um dos melhores recursos. Ele serve de complemento ao item anterior já que muda seus treinos conforme você evolui.
  • Treinador em sua língua – Pode parecer uma coisa simples, mas era algo que faltava na versão anterior um retorno de voz em português.
  • Integração da plataforma – Não sei como as outras empresas não fazem isso (ok, algumas  poucas fazem). Se você desenvolve aplicativos diferentes para exercícios diversos me parece obvio que eles conversem entre si. E foi isso que a Nike fez nesta versão. O treino que você faz no Nike+ Run Club “fala” com o do Nike+ Trainning Club.
  • Comunidade Nike+ – Agora é possível se inscrever nos eventos organizados pela Nike (no Brasil existem apenas no Rio apesar de também mostrar São Paulo).
  • Redes sociais – Interessante para quem gosta de compartilhar os treinos nas redes sociais (quem não gosta?). Agora conta com “adesivos” para inserir em suas fotos e postar aonde quiser. Para quem usa no iPhone agora também é possível integrar com os novos recursos do iMessenger através de stickers (alguns até animados).

Pontos à melhorar

Tudo muito legal, mas o aplicativo veio com alguns bugs na primeira versão que acabaram enfurecendo muitos usuários. Felizmente os problemas já foram corrigidos e pelo menos aqui tudo está funcionando bem. Ainda assim sinto falta de alguns recursos que existiam antes, os quais espero que a Nike traga de volta. Dentre eles os desafios entre amigos e as medalhas de incentivo.

Tem alguns detalhes que acredito que o tornaria ainda melhor. Por exemplo retorno de voz para informar fim do treino. Se você não ficar de olho na quilometragem vai acabar correndo mais do que deveria. Outro ponto é sobre os treinos de tiro, nestes você precisa informar manualmente quando está fazendo os intervalos ou iniciando os sprints, poderia ser automático.

Treinamento no dia a dia

Você não disse que iria falar sobre o aplicativo após algumas semanas de treino?” Sim, é verdade e farei isso agora.

Já que a idéia era testá-lo na prática, porque não fazer isso unindo também ao meu próximo objetivo na corrida? A Maratona. Pensando assim resolvi pegar o treino específico para esta prova. Inseri minhas informações, a quantidade de corridas por semana, meu nível e tudo mais, com isso ele me retornou um planejamento de 26 semanas.

Como já corro há alguns anos e tenho um certo condicionamento os primeiros treinos me pareceram fracos. Pouca distância a percorrer, velocidade bem baixa e nada de tiros. Desanimei com isso e achei que não iria seguir com este planejamento. Ledo engano.

Lembra que falei que o aplicativo se adapta? Pois é, há uma analise dos seus resultados nos treinos normais e também no que ele chama de “treinos de referência”. Estes últimos são curtos (15 minutos) mas intensos. São 7 minutos de aquecimento, 3 gradativos na sua maior velocidade e 5 de desaquecimento. Com isso o aplicativo redefine a velocidade média de todo o programa de treinamento.

Com isso meu planejamento que estava bem fácil no começo está cada vez mais difícil. O bom é que estou sentindo uma diferença considerável no meu rendimento e começo a ter certeza de que vou conseguir os tão sonhados 42.195 metros da Maratona.

Ah! Já estava me esquecendo de um detalhe. Se forem utilizar o Nike+ Run Club fiquem atentos às mudanças no planejamento. Isso normalmente acontece no domingo à noite quando ele fecha o período e te mostra seu histórico. Neste momento ele reavalia seu rendimento e pode redefinir a semana seguinte. Comigo aconteceu de um treino que antes estava previsto para terça-feira ser antecipado para segunda-feira. Acabei não vendo isso e perdi um treino. Ainda bem que dá para reordenar os dias de treino (o que também irá refletir no planejamento futuro).

Enfim, como andam os treinos com o aplicativo? Ainda estou no meio da semana sete e tenho mais dezenove pela frente, ou seja, muuuuitos quilômetros ainda para correr (670 para ser mais exato). Por enquanto estou gostando bastante da nova versão no Nike+ Run Club e acho que vou com ele até alcançar meu objetivo.

Para finalizar, a melhor parte, o aplicativo é totalmente gratuito, incluindo os treinamentos, e está disponível tanto para iOS quanto para Android.

QR-Code Nike+Run Club iOS

Download na iTunes App Store

QR-Code Nike+Run Club Android

Baixar no Google Play

Opinião – Suíte de treinamento Freeletics – Personal Trainer no seu smartphone

Suíte de treinamento Freeletics - Personal Trainer no seu smartphone
Suíte de treinamento Freeletics – Personal Trainer no seu smartphone

Lembram do Freeletics Running que comentei aqui no site há algum tempo? Pois é, fui convidado pelo pessoal da Freeletics para testar os demais aplicativos da sua suíte de exercícios. Além do Running, voltado à corridas, existem também o Bodyweight, com exercícios calistênicos e Gym, para uso em academias.

Mas antes de falar sobre estes aplicativos, acredito ser interessante dizer o que é Freeletics. Consiste em um programa de treinamento criado na Alemanha no qual os atletas livres (como são chamados os seus praticantes) utilizam basicamente apenas o corpo para se exercitar.

Mas você deve estar se perguntando agora porque estou falando sobre exercícios em um site de tecnologia móvel. Simples, porque é tudo feito com o uso do seu smartphone. Hoje já são mais de 9 milhões de praticantes espalhados pelo mundo. Ou seja, é muito atleta com uma veia geek por ai.

Freeletics Running

Freeletics Running
Freeletics Running

O Running é o aplicativo que mais me interessa dos três, já que é o esporte que mais pratico, mas nem por isso os outros deixam de ter sua importância. No primeiro post que comentei sobre este aplicativo acabei passando a impressão de que era voltado apenas aos treinos de tiros de corrida. Isso acaba acontecendo apenas se você ficar no plano gratuito. Com a assinatura do Coach (treinador) a coisa muda pois também são acrescentados treinos de rodagem nos quais você tem distâncias definidas a percorrer e em um ritmo determinado.

Como havia comentado antes no outro post, ao instalar o aplicativo você tem liberados quatro treinamentos e os demais após assinar o Coach. Agora que testei alguns destes posso dizer com mais propriedade que são ótimos para ganhar um melhor condicionamento físico e melhorar a corrida.

Um detalhe interessante do Coach é que você pode mudar seu foco à qualquer momento de acordo com seu objetivo: Perda de peso, melhora na resistência, aumento de velocidade ou melhora no condicionamento físico em geral.

Download na iTunes App Store Baixar no Google Play

Freeletics Gym

Freeletics Gym
Freeletics Gym

O mais novo membro da família Freeletics é o Gym. Aplicativo totalmente voltado para uso em academias. A ideia do Gym é proporcionar maior ganho de massa muscular. Semelhante aos outros aplicativos, ele também trás alguns treinos liberados mas o “forte” mesmo após a assinatura do Coach. Desta forma ele faz uma avaliação de seu condicionamento e após isso começa a passar as instruções de treinos e as evoluções semanais.

O Gym conta com quatro tipos de treinamentos diferentes:

  • Combinados de força – São treinos com séries de dois exercícios os quais devem ser feitos sem pausa. Estes são para quem quer ganhar tônus muscular.
  • Workouts – Séries variadas para ganho de força e condicionamento físico.
  • Desafios – Esses são para quem gosta de, como o nome diz, se desafiar. São exercícios que devem ser realizados o mais rápido possível.
  • Remada – Exercícios com foco em fortalecimento de braços, capacidade cardiovascular, pernas, glúteos, músculos das costas e abdominais.
Download na iTunes App Store Baixar no Google Play

Freeletics Bodyweight

Freeletics Bodyweight
Freeletics Bodyweight

Dos três aplicativos o que mais se destaca sem dúvida alguma é o Bodyweight. Prova disso é a grande quantidade de usuários e também fato de ter sido eleito o melhor aplicativo de 2015 na Alemanha. Mas do que exatamente se trata? Se os anteriores cuidam respectivamente de exercidos de corrida e academia/remada, qual o foco do Bodyweight?

Este aqui trás mais de 1.000 variações de exercícios de calistenia(?!?). São treinos nos quais o único peso utilizado é o do próprio corpo. São exercícios, que pode-se fazer em qualquer lugar, com bastante intensidade e com uma queima muito alta de calorias.

No mesmo molde dos citados acima, este também conta com treinos gratuitos (11 apenas) e os demais são liberados através de uma assinatura do Coach. No caso deste aplicativo em específico eles também fornecem um Guia Nutricional com dicas de alimentação saudável e balanceada para acelerar a perda de gordura.

O aplicativo é dividido em Workouts (sessões de treino), Exercises (exercícios soltos) e Running. Esta última parte é apenas para acompanhar suas corridas, não são exercícios. O aplicativo Running (ver acima) antes fazia parte do Bodyweight. Engraçado é que neste é possível escolher uma corrida de 42 quilômetros e no aplicativo Running não.

Existem ainda um recurso bem interessante do Bodyweight que merece ser citados: O Ghost no qual você disputa contra seus tempos anteriores em exercícios já realizados previamente.

Algumas vezes você precisar passar pelo inferno para chegar ao paraíso”. São dois “tipos de inferno” que os usuários do Freeletics Bodyweight encaram de tempos em tempos. Normalmente você passa por uma sessão de exercícios por dia, mas não quando estiver nestas semanas.

Hell Days! – O Coach vai passar para você três sessões de treino para serem completadas por dia com um dia de descanso. Já passei por esse inferno e digo que é realmente de matar.

Já a Hell Week deve ser ainda pior (ainda não passei por esta). A Hell Week significa sete dias de treinos seguidos. Nos seis primeiros dias são sessões regulares de treinamento, mas no sétimo dia, o Coach lhe dará três sessões de treinamento. Aqui não tem descanso.

Já estava esquecendo uma informação importante do Bodyweight. Caso você esteja com algum músculo machucado, ou outra lesão, é possível informar isso no aplicativo e os treinos da semana seguinte não incluirão exercícios da(s) área(s) lesionada.

Download na iTunes App Store Baixar no Google Play

Videos dos treinamentos

Algo muito legal que vale ser citado são os vídeos de treinamento. TODOS os exercícios dos aplicativos Freeletics contam com instruções muito bem detalhadas apresentando cada movimento a ser realizado para evitar lesões. Nestes mesmos videos são mostrados também dicas do treinador para uma melhor execução de cada um.

Meu objetivo com a suíte Freeletics

Tenho utilizado regularmente os três aplicativos em conjunto e em poucas semanas já percebi uma melhora considerável no condicionamento físico. Pretendo fazer uma experiência na qual irei manter uma rotina de exercícios orientados APENAS por aplicativos móveis. O foco é correr uma maratona (sim os terríveis 42,195km) até o final do ano.

Claro que não serei irresponsável de fazer tudo assim sem ao menos um acompanhamento profissional. Fiz um check up esportivo e estou consultando uma nutricionista com especialização esportiva funcional.

Será que o geek gordinho aqui conseguirá? Aguardem os próximos capítulos.

Cozinha é ambiente geek?

Cozinha é ambiente geek?
Cozinha é ambiente geek?

Estava pensando outro dia e cheguei a conclusão de que se tem um ambiente de boa parte dos lares que se tornou bem geek nos últimos tempo é a cozinha. Duvida? Então observe a quantidade de utensílios que mudou de uns tempos para cá.

Não, não vou falar aqui sobre geladeiras inteligentes que fazem compras pela internet, impressoras 3D de comida, balanças que identificam os itens do prato e informam a quantidade de calorias… Nada disso. Esses são produtos muito legais mas que vão demorar a se tornar algo comum por aqui.

Hoje estou falando de produtos que estão nas cozinhas da maioria das pessoas e que foram chegando quase sem serem percebidos. Provavelmente você que está lendo isso tem algum(s) destes em casa. Não muito tempo atrás era basicamente tudo feito no fogão a gás e hoje ele pode ser aposentado sem grande problema (esquece fogão à lenha, isso não é do seu tempo).

Só para citar alguns objetos geeks nas cozinhas: Microondas, lavadora louça, panela de pressão, panela de arroz, fritadeira sem óleo, máquina de fazer pão, cafeteria de cápsulas, multiprocessadores, chaleira, cooktop… tudo elétrico, tudo programável ao toque de botões. Alguns destes sequer tem botões, são pequenas telas de toque. E é só entrar nos sites das lojas de produtos de cozinha que verão muitos outros gadgets do que os desta pequena lista.

São tantos aparelhos para tornar a coisa mais fácil que basta colocar os ingredientes em seus respectivos lugares, apertar alguns botões e ir tomar um café. Café este que você não precisou de um filtro de papel, não derramou pó no chão e não vai precisar de uma garrafa térmica já que fez a quantidade certa para este momento. Foi só colocar uma cápsula na máquina e ligar. Simples assim.

Lembram dos livros gigantes de receitas (os mais velhos irão lembrar da “Dona Benta”) e dos caderninhos amassados com receitas de família? Esquece, está tudo agora nas telas dos tablets com opção para buscar por ingrediente, tipo de comida, tags e o que mais achar interessante.

Por falar nisso, e aprender a cozinhar que antes era passado de geração em geração? Normalmente era de mãe para filha que acontecia isso. Hoje é tudo conectado e globalizado. Eu mesmo aprendi a fazer pratos japoneses com um chef de Nova York sem sair da minha cozinha através de um simples aplicativo.

Faltou algum ingrediente? Adiciona na lista de compras, mas esqueça os pedaços de papel. Tudo agora vai via smartphones e fica compartilhado entre sua família, onde você informa em tempo real a todos quando coloca cada produto no carrinho do mercado.

E ai, a cozinha é ou não é um ambiente geek?