Xiaomi Mi Sphere – Vale a pena comprar um câmera 360º?

Mi Sphere - Câmera 360º da Xiaomi
Mi Sphere – Câmera 360º da Xiaomi

A pergunta do título deste post é uma que sempre me fazia todas as vezes em que pensava em adquirir um equipamento deste tipo. É realmente algo que vale a compra ou uma moda passageira? Há realmente espaço para fotografia e filmagem em 360º?

Há um tempo atrás chegou para testes uma câmera que me ajudou a conhecer mais de perto o que dá para fazer com este tipo de equipamento. O modelo em questão é a Xiaomi Mi Sphere, que também pode ser chamada de Mijia 3.5K. Mas sejamos sinceros, para nós brasileiros uma câmera com nome de “Mijia” fica bem esquisito então vou chamar apenas de Mi Sphere.

Nomes à parte, o que esta câmera é capaz de fazer? Simples e direto: Imagens e filmagens em 360º de forma extremamente simples e com qualidade impressionante. Estou falando de um equipamento que tem a metade do tamanho de um smartphone médio e que conta com um leque impressionante de recursos.

Para ter uma idéia, algumas das resoluções de vídeo: 2304×1152(30fps), 2304×1152(60fps), 3456×1728(30fps), ou seja 3.5K em 360º. Quer mais? GPS, Wi-FI (802.11 b/g/n, 2.4GHz e alcance de até 50 metros), IP67 (sim fotógrafos e filmmakers radicais, pode molhar um pouco), sistema eletrônico de estabilização de imagens em 6 eixos (3-eixos no giroscópio + 3-eixos no acelerômetro), processador de imagens Ambarella A12 e suporta cartões (oficialmente) de até 128GB. Pode ser utilizada sozinha ou em companhia de seu smartphone (iOS e/ou Android).

Resumindo a sopa de letrinhas acima: É muita tecnologia em um espaço tão pequeno. Me surpreendeu positivamente como isso tudo coube ali e fiquei ainda mais impressionado com o resultado final. As imagens/filmagens tem uma qualidade excelente.

Foto estilo Tiny World feita com a Mi Sphere
Foto estilo Tiny World feita com a Mi Sphere

Aliado a isso há o aplicativo nativo da Xiaomi chamado Mi Sphere Camera (iOS e Android) que entrega uma boa relação entre recursos, facilidade de uso e rede social para fans de 360º. Não vou detalhar agora a sua rede social pois pretendo escrever depois sobre esta e outras semelhantes. 

Na minha opinião a câmera é ótima e vale cada centavo cobrado por ela, mesmo com as  ressalvas que irei detalhar mais abaixo.

Ponto positivo – Facilidade de uso

A qualidade das fotos poderia entrar aqui, mas como já falei sobre isso acima vamos para o outro ponto. Com um aparelho assim é tão fácil filmar/fotografar que me faz pensar no porquê as outras câmeras, sejam elas profissionais ou mesmo smartphones, não podem simplificar o uso.

Imagine a seguinte cena: Férias em algum lugar bonito com sua família e quer registrar isso. Neste momento tira o smartphone do bolso, pede para todos ficarem juntos, abre seu aplicativo de fotos, olha na tela e faz a foto/filme. Com uma DSLR o processo é igual mas precisa trocar a lente, fazer alguns ajustes de foco, de luz, ISO… Sem dúvida a foto ficará ótima, seja com um ou outro aparelho citado, mas pense no tempo que levou.

Com esta câmera basta tirar do bolso (já falei que é pequena?) e apertar um botão. Não precisa pedir para as pessoas ficarem juntas, apontar a lente para elas, abrir aplicativo… Nada. Como ela registra tudo ao seu redor só é preciso tocar no botão e vá curtir o momento. Como falei, facilidade de uso.

Pontos negativos

A bateria tem apenas 1600mAH/3.8V. Mantendo o Wi-fi desligando a empresa promete 90 minutos de gravação de vídeo e 75 minutos mantiver ligado. Se deixar o GPS ligado e mantendo a transferência automática de arquivos para o smartphone a queda na autonomia cai consideravelmente. Sendo assim lembre-se de sempre levar uma bateria extra quando for sair com ela.

Outro ponto negativo é o calor que ela gera. Não sei como é o processamento interno, mas com poucos minutos de uso ela fica bastante quente, imagino que pelo fato de ser selada para não entrar água e/ou poeira. Ainda bem que ela consegue esfriar rápido quando desligada.

Acessórios para Mi Sphere

A Mi Sphere já vem com um mini-tripé bem prático e que pode ser utilizado como mini selfie stick (me recuso a chamar de “pau de selfie”). Já resolve bem e quebra um galho para a maioria das fotos. Mas recomendo muito a compra do selfie stick oficial da Xiaomi para este aparelho. Primeiro porque ele conta com botão multi-uso para ligar/desligar, escolher modos (fotografia ou filmagem) e tudo isso sem necessitar de bateria. Basta encostar aos conectores abaixo da Mi Sphere. É um acessório necessário? Na verdade não, mas ele facilita muito o uso e de quebra desaparece nas fotos e filmagens já que é tão fino que fica entre as duas lentes (frontal e traseira)

Existe um controle remoto para a Mi Sphere que pode ser encontrado em sites como Amazon, GearBest e outros. Mas este é algo que não sei se vale a pena já que o aplicativo para smartphones permite fazer a mesma função. Talvez para quem resolva trabalhar profissionalmente com esta câmera seja algo que valha o investimento.

Já vi algumas pessoas utilizarem a Mi Sphere em drones e o resultado ficou muito interessante, infelizmente não tenho um drone por aqui para poder testar pessoalmente. Se alguém quiser emprestar um para isso é só falar.

Onde utilizar fotos 360º?

Hoje vários serviços online estão preparados para a publicação de fotos e vídeos em 360º. Youtube, Facebook, Google Street View só para citar os mais famosos e utilizados. No Instagram é possível desde que você edite o vídeo/foto para mostrar o ambiente. Além destes existem redes sociais próprias para 360º como a VeerR. Esta rede conta com nomes de peso com Oculus, Windows Mixed Reality, Vive, Mi, Oculus Go, Samsung Gear VR e Daydream. Me parece ser a maior rede atualmente focada em 360º e realidade virtual.

Além de tudo isso há ainda a possibilidade de visualizar o material gerado com ela através de óculos de realidade virtual. É muito prático para mostrar algum local e passar a sensação de imersão. Imagine as possibilidades: Fotos de viagens, seu negócio, incrementar o Google Street View, venda/aluguel de imóveis… solte a imaginação.

Um detalhe pessoal que gostaria de compartilhar. Depois de tanto testar e publicar fotos hoje sou um fotógrafo com selo de confiança do GOOGLE Street View. Isso quer dizer que se alguém ai tiver interesse em publicar seu negócio em 360º para o mundo estou à disposição.

Certificação de Confiança do GOOGLE Street View
Certificação de Confiança do GOOGLE Street View

Osmo Mobile 2 – Este estabilizador para filmagens com smartphones vale a compra?

Gimbal Osmo Mobile 2
Gimbal Osmo Mobile 2

Há algum tempo tenho me dedicado a um dos meus hobbies prediletos: produção de vídeos. Para isso, além de estar estudando sobre captura de imagens, ângulos, iluminação… o estudo de edição de vídeos também se tornou uma constante. Mas claro que para isso também tenho lido e testado alguns equipamentos e acessórios tais como tripés, sliders, dolly skaters e outros. Neste sentido recentemente adquiri um equipamento que sempre tive curiosidade de testar, um gimbal.

Um gimbal, a grosso modo, é um suporte para sua câmera que consegue estabilizar o movimento, por exemplo, de caminhar enquanto filma. Para quem faz vídeos parados (você sentado em frente à uma câmera como a maioria dos Youtubers) pode até ser um acessório dispensável, mas se pretende gravar em movimento e com mais qualidade a coisa muda bastante com um destes.

Osmo Mobile 2 em detalhes

O gimbal em questão que tenho testado é o Osmo Mobile 2, um acessório da DJI (famosa pelos seus drones), mas este é específico para uso de smartphones. A empresa comercializa outros modelos deste tipo de equipamento para uso com diversos tipos de câmera, inclusive uma versão antiga também para smartphones. Esta nova versão, lançada este ano, veio para aprimorar ainda mais a experiência do primeiro Osmo Mobile.

Uma das novidades deste em relação ao antigo é a possibilidade de filmar com o smartphone na vertical. Não é algo que pessoalmente me agrada muito, mas para quem gosta de fazer vídeos para os Stories (Instagram, IGTV e outros) ajuda bastante.

Balanceamento

Ao “instalar” o smartphone no gimbal é preciso balanceá-lo para que fique no melhor equilíbrio possível. Isso faz com que sua filmagem fique sempre na posição correta, elimine quase que por completo o balanço ao caminhar e também ajuda a poupar bateria do acessório. Do contrário ele fará “mais força” para tentar corrigir tudo isso. No vídeo abaixo é mais fácil entender como funciona.

Utilizando o Osmo Mobile 2

O uso deste gimbal é bem mais simples do que eu imaginava, mesmo tendo ele diversos recursos que fazem a filmagem ficar com um ar de profissional. Após a instalação do aplicativo padrão e o balanceamento (ver acima) ele já está pronto para uso. Requer um pouco de treino para acostumar com o posicionamento dos botões, virar para um lado e para outro, para cima e para baixo… mas nada complicado e em alguns minutos já dá para começar a brincadeira. Além disso dá para ajustar, nas configurações, a velocidade dos movimentos além de inverter a direção do joystick.

Pode parecer um tanto estranho falar em mudar a direção do joystick mas para mim foi mais lógico fazer assim. Na configuração padrão ao pressionar para a esquerda a câmera vira para a direita e vice-versa. Funciona assim? Sim, mas leva tempo para o cérebro compreender que você está indicando que ao apontar o joystick para um lado é aquela lateral correspondente do smartphone que irá para frente. Preferi fazer a inversão para indicar com o joystick para que lado ele deve virar a câmera e assim ficou bem mais fácil controlar o Osmo Mobile 2.

Botões

O aparelho conta com quatro botões que permitem fazer praticamente tudo, o resto se faz tocando a tela do smartphone. Na lateral há um botão deslizante que serve para aumentar/diminuir o zoom, na frente um outro vermelho de disparo tanto para fotografia quanto para filmagem e o já citado joystick para direcionar a câmera. 

Botões e conexões

Abaixo destes, marcado com a letra M, há um botão multiuso. Ele serve para ligar/desligar o Osmo Mobile 2, para alternar entre câmera frontal e traseira, para travar/soltar o movimento de subida/descida da câmera e também para fazer com que ela volte para a posição inicial. Para tudo isso é preciso decorar a quantidade de cliques para cada uma destas funções.

Recursos

Através do aplicativo original é possível ter acesso a uma série de recursos que tornam o Osmo Mobile 2 tão incrível. Funcionalidade como Timelapse, tão comum em diversos aplicativos de filmagem (incluíndo o nativo do iPhone) é expandida e levada a outro nível. Além da funcionalidade normal deste tipo de filmagem o conjunto aplicativo/gimbal permite fazer Hyperlapse e Motionlapse.

O Timelapse comum é aquela técnica em que a câmera fica parada e registra diversas fotos em sequencia com intervalos curtos entre elas e no final forma-se um vídeo com isso. Já o Hyperlapse segue a mesma ideia, mas com você que está filmando em movimento. Já o Motionlapse o gimbal fica parado mas a câmera vai virando de um lado para outro onde é possível escolher inclusive diversos pontos nos quais ela irá apontar.

Claro que recursos como filmagem normal, câmera lenta, iluminação, foco e outros fazem parte do pacote como era de se esperar. Mas um outro recurso extra é, na minha opinião, o mais interessante. Há uma configuração bem simples de utilizar que permite travar o foco em determinado objeto/pessoa. Muito útil para quem gosta de se filmar (Youtubers) já que com esta função o smartphone no gimbal fica seguindo o “alvo”.

Uma novidade neste aparelho em relação ao seu modelo anterior é que a bateria interna (que chega a  durar até 15 horas de uso) pode também carregar a bateria do smartphone. Basta conectar um cabo na porta traseira do gimbal e no seu celular. Dá até mesmo para carregar a bateria interna ao mesmo tempo em que se carrega a do smartphone.

Aplicativo(s)

O aplicativo padrão, DJI GO, é bem completo e trás diversos recursos bem interessantes para a dupla smartphone/gimbal, é a melhor opção para utilizar o Osmo Mobile 2. Ele na verdade é o mesmo utilizado para manusear outros produtos da DJI como outros gimbals e até seus drones. Dentro dele há também um editor de vídeos, a Skypixel, uma rede social estilo Instagram para usuários de produtos da DJI, acesso à loja, forum, suporte, programa de afiliados e o Flight Records que mostra seus dados de voos com drones.

Reparou que neste tópico eu disse “aplicativo(S)”, no plural? Pois é, o DJI GO não é o único que consegue controlar o Osmo Mobile 2. Há um outro aplicativo chamado FILMIC Pro que também consegue. Este é, na opinião de diversos profissionais da área de filmagens (e na minha também), o melhor aplicativo do tipo para os iPhones. É o que conta com os recursos de filmagem mais avançados que conheço.

Não vou entrar em detalhes sobre este aplicativo aqui, tem tantos recursos que daria para vários posts. Mas para ter uma ideia do que ele é capaz, vários dos melhores “cineastas móveis” profissionais o utilizam inclusive para gravar longa-metragens (alguém ainda usa este termo?). O FILMIC tem um custo de R$50,00, uma compra interna de R$32,90 e um aplicativo extra para controle/tela extra de também R$32,90. É uma brincadeira bem cara, então é melhor deixar para os profissionais da área e ficar com o DJI GO mesmo já que é gratuito.

Acessórios

O Osmo Mobile 2 por si só já é uma grande aquisição e não precisa de mais nada extra, mas ainda assim ele pode ser acrescido de acessórios diversos caso necessite. Na parte inferior há uma conexão padrão de acessórios de fotografia/filmagem, assim dá para utilizá-lo em tripés, sliders, tiras de pulso/pescoço, com a base própria (vendida à parte), suporte para microfone e/ou iluminação… o céu o bolso é o limite.

Vale a pena comprar?

Se você não se interessa por fazer filmagens mais fluidas/niveladas e está satisfeito com o resultado que produz apenas com seu smartphone digo para guardar seu dinheiro para outra coisa. Mas se pretende melhorar seus vídeos e produzir com qualidade semi-profissional, se é um Youtuber, aspirante a cinegrafista ou algo do tipo vá lá e compre um destes para ontem. Vale cada centavo.

Quanto custa? Em “terra brasilis” está saindo em torno de R$1400,00, mas em vários sites estrangeiros dá para pagar a metade disso. Só torça para não ser taxado na Receita Federal. Isso pode acabar deixando pelo mesmo preço cobrado por aqui e ainda ter de esperar quase uma eternidade para chegar.

Claro que eu não deixaria de postar um vídeo que gravei utilizando o Osmo Mobile 2. Dêem uma olhada abaixo para tirar suas próprias conclusões sobre o resultado:

Nike+ Run Club – Opinião após algumas semanas de treino

Aplicativo Nike+ Run Club
Aplicativo Nike+ Run Club

Já era para ter comentado sobre a atualização que a Nike fez em seu principal aplicativo, o Nike+ Running, que além da mudança no nome (agora Nike+ Run Club) sofreu uma metamorfose total. Demorei um pouco pois precisava testar na prática para poder conhecê-lo melhor.

Novidades

Antes de passar a minha opinião vou falar sobre as mudanças no aplicativo. Foram muitas e por isso vou citar apenas algumas:

  • Planos de treinamento – Já era um recurso presente na versão anterior, mas agora ficou mais personalizável. Comece escolhendo uma opção (Iniciante, Performance ou Prova específica) e depois entre com suas informações pessoais.
  • Adaptativo – Para mim um dos melhores recursos. Ele serve de complemento ao item anterior já que muda seus treinos conforme você evolui.
  • Treinador em sua língua – Pode parecer uma coisa simples, mas era algo que faltava na versão anterior um retorno de voz em português.
  • Integração da plataforma – Não sei como as outras empresas não fazem isso (ok, algumas  poucas fazem). Se você desenvolve aplicativos diferentes para exercícios diversos me parece obvio que eles conversem entre si. E foi isso que a Nike fez nesta versão. O treino que você faz no Nike+ Run Club “fala” com o do Nike+ Trainning Club.
  • Comunidade Nike+ – Agora é possível se inscrever nos eventos organizados pela Nike (no Brasil existem apenas no Rio apesar de também mostrar São Paulo).
  • Redes sociais – Interessante para quem gosta de compartilhar os treinos nas redes sociais (quem não gosta?). Agora conta com “adesivos” para inserir em suas fotos e postar aonde quiser. Para quem usa no iPhone agora também é possível integrar com os novos recursos do iMessenger através de stickers (alguns até animados).

Pontos à melhorar

Tudo muito legal, mas o aplicativo veio com alguns bugs na primeira versão que acabaram enfurecendo muitos usuários. Felizmente os problemas já foram corrigidos e pelo menos aqui tudo está funcionando bem. Ainda assim sinto falta de alguns recursos que existiam antes, os quais espero que a Nike traga de volta. Dentre eles os desafios entre amigos e as medalhas de incentivo.

Tem alguns detalhes que acredito que o tornaria ainda melhor. Por exemplo retorno de voz para informar fim do treino. Se você não ficar de olho na quilometragem vai acabar correndo mais do que deveria. Outro ponto é sobre os treinos de tiro, nestes você precisa informar manualmente quando está fazendo os intervalos ou iniciando os sprints, poderia ser automático.

Treinamento no dia a dia

Você não disse que iria falar sobre o aplicativo após algumas semanas de treino?” Sim, é verdade e farei isso agora.

Já que a idéia era testá-lo na prática, porque não fazer isso unindo também ao meu próximo objetivo na corrida? A Maratona. Pensando assim resolvi pegar o treino específico para esta prova. Inseri minhas informações, a quantidade de corridas por semana, meu nível e tudo mais, com isso ele me retornou um planejamento de 26 semanas.

Como já corro há alguns anos e tenho um certo condicionamento os primeiros treinos me pareceram fracos. Pouca distância a percorrer, velocidade bem baixa e nada de tiros. Desanimei com isso e achei que não iria seguir com este planejamento. Ledo engano.

Lembra que falei que o aplicativo se adapta? Pois é, há uma analise dos seus resultados nos treinos normais e também no que ele chama de “treinos de referência”. Estes últimos são curtos (15 minutos) mas intensos. São 7 minutos de aquecimento, 3 gradativos na sua maior velocidade e 5 de desaquecimento. Com isso o aplicativo redefine a velocidade média de todo o programa de treinamento.

Com isso meu planejamento que estava bem fácil no começo está cada vez mais difícil. O bom é que estou sentindo uma diferença considerável no meu rendimento e começo a ter certeza de que vou conseguir os tão sonhados 42.195 metros da Maratona.

Ah! Já estava me esquecendo de um detalhe. Se forem utilizar o Nike+ Run Club fiquem atentos às mudanças no planejamento. Isso normalmente acontece no domingo à noite quando ele fecha o período e te mostra seu histórico. Neste momento ele reavalia seu rendimento e pode redefinir a semana seguinte. Comigo aconteceu de um treino que antes estava previsto para terça-feira ser antecipado para segunda-feira. Acabei não vendo isso e perdi um treino. Ainda bem que dá para reordenar os dias de treino (o que também irá refletir no planejamento futuro).

Enfim, como andam os treinos com o aplicativo? Ainda estou no meio da semana sete e tenho mais dezenove pela frente, ou seja, muuuuitos quilômetros ainda para correr (670 para ser mais exato). Por enquanto estou gostando bastante da nova versão no Nike+ Run Club e acho que vou com ele até alcançar meu objetivo.

Para finalizar, a melhor parte, o aplicativo é totalmente gratuito, incluindo os treinamentos, e está disponível tanto para iOS quanto para Android.

QR-Code Nike+Run Club iOS

Download na iTunes App Store

QR-Code Nike+Run Club Android

Baixar no Google Play

Nike+ Training Club – Algumas semanas depois

Nike+ Training Club - Algumas semanas depois
Nike+ Training Club – Algumas semanas depois

Como comentei há algumas semanas atrás, testei por algumas semanas a ultima versão do aplicativo Nike+ Training Club. Foram algumas semanas de muito suor para colocar à prova os treinamentos elaborados por este “treinador de bolso”.

Nos primeiros dias de teste não coloquei à prova os treinos personalizados pois queria ver como eram os treinamentos livres. Acabei escolhendo aleatoriamente para poder ter uma visão geral destes. Acredito que isso não seja o mais indicado, mas resolvi fazer assim para ter um primeiro contato com exercícios diversos e não ficar apenas nos mais indicados para mim. Foi interessante pois acabei conhecendo diversos exercícios que nunca havia feito antes.

Ainda na parte “em destaque” existem diversos programas prontos criados por atletas convidados pela Nike. Claro que estes programas não se encaixam para todos, mas há algumas sequências bem legais. Por exemplo descobri alguns exercícios para serem feitos em dupla. Achei bem bacana isso e não me lembro de ter encontrado qualquer outro aplicativo que tenha este recurso.

Nike+ Training Club
Nike+ Training Club

Mas vamos ao que realmente interessa: os treinos personalizados. Existem basicamente 4 tipos de planos voltados para objetivos diferentes. O primeiro é para quem está começando nos exercícios, o segundo para quem tem como meta perder peso, o terceiro para quem deseja ganhar massa corporal e por fim um para ganho de força.

Ao escolher seu objetivo vem a parte de configuração do plano escolhido. É aqui que o treinamento é refinado para cada um. Neste ponto você pode indicar se quer utilizar algum tipo de equipamento, quantos treinos por semana deseja fazer, se quer incluir uma corrida (integrado com o aplicativo Nike+ Running), seu nível de atividade atual, indicar algumas informações pessoais como altura e peso, e por fim em que data deseja começar a treinar.

Ao terminar estes passos o aplicativo monta a sua planilha de treinos e mostra como será sua primeira semana (com opção para ver todas as demais caso deseje).

Exercícios

Quando comecei o primeiro treino achei que havia feito alguma configuração errada pois estava muito fácil. Mas bastou continuar para ver como estava errado nesta impressão. Acreditem, os exercícios começam bem leves mas vão aumentando a dificuldade e ficando cada vez mais fortes. No final do primeiro dia de treino estava exausto, mas bastante contente com o resultado.

Para meus testes escolhi sempre fazer exercícios sem uso de equipamentos acessórios, ou seja, nada de barras, alteres, aparelhos de ginástica ou qualquer outra coisa. Pessoalmente gosto mais assim pela facilidade de poder treinar em qualquer lugar e hora sem depender de ter uma academia por perto. Não é o meu caso, mas se você viaja muito isso pode fazer uma grande diferença.

Integração

Um ponto positivo a comentar é a integração do Nike+ Training Club com outros da mesma empresa. Hoje consegue mesclar seus exercícios com o Nike+ Running e muito provavelmente irá fazer o mesmo com o Nike+ Running Club (sim, vem novidade por ai). Não sei se com os aplicativos mais antigos (Nike+ Move, Fuel e Futebol) há esta integração, não testei.

Para quem tem iPhone o aplicativo se integra com o Apple Saúde e grava os dados de energia ativa, exercícios e a pontuação de NikeFuel. Isso é uma coisa que sinceramente não entendo porque os desenvolvedores não colocam como padrão em seus aplicativos voltados para exercício.

Opinião final

Gostei bastante do Nike+ Training Club e vou mantê-lo em minha rotina de treinamentos. Mesmo não tendo o lado motivacional presente em outros deste tipo vale à pena pelos ótimos exercícios, ainda mais sendo todos gratuitos não requerendo sequer qualquer tipo de assinatura.

Existe muito mais por trás deste aplicativo, como por exemplo rede social própria da Nike, os dados sobre eventos e locais de treinamento dos clubes e desafios da comunidade de usuários. Mas isso deixo por conta de vocês, baixem o aplicativo e conheçam.

QR Code iOS

Download na iTunes App Store

QR Code Android

Baixar no Google Play

Get Set – Aplicativo ajuda a evitar lesões esportivas

Get Set - Aplicativo ajuda a evitar lesões esportivas
Get Set – Aplicativo ajuda a evitar lesões esportivas

Fala geek esportista. Você finalmente resolveu começar a praticar algum esporte mas como ainda não tem muita prática está com medo de se lesionar. Já pratica algum regularmente e está sentindo um pouco de dor? Lesões são muito comuns em praticamente todos os esportes. Saiba que existem maneiras de diminuir ou mesmo de não se lesionar.

Mas será que existe algum aplicativo que pode me ajudar nisso? Claro que sim. E não é qualquer aplicativo que vou indicar hoje, mas um criado nada mais nada menos que pelo Comitê Olímpico Internacional, o Centro de Pesquisa de Oslo Sports Trauma, Making Waves AS e várias federações desportivas internacionais

O Get Set, disponível gratuitamente tanto para iOS e quanto para Android, tenta ajudar a prevenir lesões através de diversos exercícios de aquecimento. Existem muitos estudos científicos que demonstram estes podem reduzir o risco em mais de 50%.

Disponível também para Android
Disponível também para Android

O aplicativo infelizmente não está em português, mas conta com instruções em vídeo que facilitam bastante a correta execução dos exercícios. Todos são apresentados com três níveis de dificuldade e até onde pude ver com nenhum ou quase nenhum equipamento. Isso facilita bastante na hora de se exercitar.

Existem três abas no aplicativo. Na primeira “Sport”, selecione qual esporte pratica e ele indicará os melhores exercícios indicados para você. São 45 esportes diferentes no total. Na aba “Body” você escolhe a parte do corpo que precisa exercitar. Por fim a aba “Last Used” facilita por mostrar quais os últimos exercícios você praticou.

Há também uma opção para baixar em PDF todas as instruções indicadas. Isso pode ser útil caso queira enviar para seu médico, treinador ou mesmo grupo de treino.

QR Code iOS
Download na iTunes App Store
QR Code Android

Baixar no Google Play