Bike da firma – Aplicativo para uma rotina saudável à caminho do trabalho

Bike da firma - Aplicativo para uma rotina saudável à caminho do trabalho
Bike da firma – Aplicativo para uma rotina saudável à caminho do trabalho

Recentemente descobri uma iniciativa bem legal que funciona através de um aplicativo/serviço. O projeto se chama Bike da Firma. A idéia é bem inovadora e acho que tem tudo para pegar nas grandes cidades já que pode ajudar a diminuir o trânsito.

Quem não gostaria de pedalar até o trabalho e com isso ganhar prêmios? Funciona assim: Sua empresa se cadastra no serviço e cria desafios para os funcionários que desejarem participar. Através de um aplicativo ou do site tanto ela quanto os participantes podem acompanhar o desempenho de todos. Quem atingir primeiro a meta estabelecida ganha prêmios da empresa.

Pelo que vi já teve gente que ganhou chopada, dia de folga, sessões de massagem, aulas de arquearia, vouchers  para trocar por livros e outros. As empresas participantes também recebem prêmios ou bônus de acordo com a quantidade de quilômetros percorridos.

Tudo funciona basicamente através de um aplicativo. Este mede as pedaladas e desempenho de cada participante. Dentro também há uma rede social própria para troca de informações. Por falar em aplicativo, ele funciona também em paralelo com smartwatches como AppleWatch e Moto 360.

Do lado das empresas participantes, por uma taxa mensal paga por estas, a agência por trás do Bike da Firma ainda fornece, caso necessário, o aluguel de bicicletas, além claro, de disponibilizar o site e aplicativo para gerenciar os prêmios e distancias percorridas pela equipe.

Parece que ainda não está em funcionamento um outro recurso mas pelo que vi também será possível que as empresas participantes criem desafios não apenas para seus funcionários, mas também para seus clientes.

Além de tudo isso, todas as informações gravadas alimentam um ranking com informações adicionais como quantidade de CO2 que deixaram de emitir, calorias queimadas e gasolina poupada.

Ranking
Ranking (07/04/2016)

Gostei da ideia. Empresas, fiquem ligadas e incentivem seus funcionários a manter um estilo de vida mais saudável. Isso pode ser benéfico pois funcionário feliz trabalha melhor.

Quem gostou, o site oficial é www.bikedafirma.com e os aplicativos estão disponíveis para iPhones e Androids.

Use Bike – aplicativo de mapeamento para ciclistas

Use Bike - aplicativo de mapeamento para ciclistas
Use Bike – aplicativo de mapeamento para ciclistas

Hoje é dia de posts sobre ciclismo aqui no NPossibilidades. Além de correr, recentemente comecei a pedalar e claro que uma das primeiras coisas que fiz foi procurar aplicativos com o tema bike. Dentre outros, um que estou testando é o UseBike. Este aplicativo/serviço promete ser uma plataforma com o fim de facilitar a vida dos ciclistas urbanos.

Algumas das funcionalidades que o aplicativo já trás são:

  • Pontos de aluguel de bicicletas de todo o Brasil.
  • Pontos de bicicletários, para você guardar a sua com segurança.
  • Pontos de paraciclos, para você estacionar a sua bicicleta.
  • Oficinas de manutenção de bicicletas.
  • Lojas de produtos para ciclismo.
  • Postos de gasolina para você não ficar pedalando de pneu murcho.
  • Parques com espaços dedicados ao ciclismo.
  • Mapeamento de todas as ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas para tornar sua viagem mais segura.
  • Mapeamento das ciclofaixas de lazer.

Isso tudo por si só já é bem legal, mas o pessoal do UseBike está implementando novos recursos tais como:

  • Topografia das melhores rotas de bike.
  • Sistema de colaboração e reviews das rotas.
  • Previsão meteorológica na rota.

Gostei do aplicativo e por enquanto estou apenas utilizando em minha cidade. Mas acho que o melhor mesmo será quando estiver pedalando em lugares diferentes no qual precisarei ainda mais destas informações. Por falar nisso, comentei que também é possível inserir novos dados? Pois é, os usuários do aplicativo também conseguem informar outros pontos úteis para os demais ciclistas. Gostei disso e já comecei a incluir pontos próximos à minha casa.

Se cabe uma sugestão para os desenvolvedores é inserir outros recursos como eventos para ciclistas, pontos de encontro de grupos de pedal e quem sabe até parcerias com outras startups na área (Bike Registrada e Onde fui roubado por exemplo) ou mesmo Foursquare e Uber Bike.

Vale destacar que já existem parcerias com outras entidades, como é o caso das famosas “bicicletas do Itaú” (aquelas laranjas para alugar). Inclusive no aplicativo UseBike é possível ver não apenas esses pontos de aluguel, mas também quantas bicicletas estão disponíveis e quantas vagas estão liberadas, tudo em tempo real.

No momento desta publicação a base de dados do UseBike já conta com 237 estabelecimentos “amigos dos ciclistas”, mais de 13.000 pontos de aluguel de bicicletas, mais de 300 oficinas/serviços e 98 pontos de parada. Nada mal heim?

O aplicativo UseBike está disponível tanto para iOS quanto para Android.

Bike registrada – Aplicativo ajuda a recuperar bicicletas roubadas

Bike registrada - Aplicativo ajuda a recuperar bicicletas roubadas
Bike registrada – Aplicativo ajuda a recuperar bicicletas roubadas

Se tem uma coisa que todo ciclista tem medo é de roubo de bicicletas. Ninguém quer perder todo o investimento feito neste meio de transporte/lazer/esporte. Um grupo de ciclistas aqui de Brasilia criou um serviço/aplicativo que já ajudou muita gente a recuperar a bike perdida.

Claro que como bom geek, assim que fiquei sabendo desta iniciativa, corri para testar o aplicativo. O Bike Registrada funciona como um cadastro nacional que permite a identificação das bikes e dos seus respectivos donos de forma simples. Através de um cadastro gratuito é possível saber a situação de cada bicicleta (se foi roubada ou não) e também entrar em contato com o seu dono.

A ideia é que os ciclistas possam registrar suas bicicletas e dessa forma, sempre que forem adquirir uma bike, seja possível verificar se a bicicleta é produto de roubo. Acredito que se todos os ciclistas cadastrarem suas bikes e consultarem o sistema, isso pode reduzir de forma significativa a chance de adquirir produtos roubados”, conta o ciclista Maxmuller Saraiva Poeck, idealizador do projeto.

Ok, mas e o aplicativo? Vamos lá. O serviço é bastante interessante e realmente útil (pergunte para quem já teve uma bicicleta recuperada), mas no aplicativo em si ainda falta, em minha opinião, alguma coisa. Poderiam incluir alguns recursos para ficar melhor. Na versão atual ele funciona apenas para consultar a situação de uma bicicleta. Poderiam inserir opções para cadastramento, que hoje é realizado através do site, mudança de status (roubada/recuperada) e até mesmo uma lista de locais com maior incidência de roubos.

Atualização:

Fui procurado pelo pessoal do BikeRegistrada e me passaram algumas informações que merecem uma atualização neste post. A versão para Android permite que o ciclista faça tudo pelo aplicativo. A versão para iOS é que ainda faz apenas a consulta das bicicletas. Felizmente eles já estão finalizando uma nova, versão mais completa, e aprovando a publicação com a Apple para os próximos dias. Outra novidade é que os usuários de Windows Phone logo também ganharão sua versão do aplicativo.

E a consulta através do aplicativo? Como funciona? Ela pode ser feita à partir de três informações diferentes. Através do número de série de uma bicicleta (normalmente posicionada na parte de baixo do quadro), de QRCode dos selos Bike Registrada ou digitando a Tag também presente no selo. Todo o serviço é gratuito, mas caso queira adquirir o selo há um custo de R$29,90 por este.

O Bike Registrada no geral é excelente e já conta com um número impressionante de usuários. Vale citar também que o serviço mantém parceria com a polícia militar do Distrito Federal e de Santa Catarina, Federação Espírito Santense de Ciclismo, Sebrae e outros.

O aplicativo está disponível tanto para iOS quanto para Android. O site oficial pode ser acessado em BikeRegistrada.com.br

O que levar para cobertura de eventos tecnológicos? – Resultado da minha escolha

Lista quase reduzida a apenas um aparelho
Lista quase reduzida a apenas um aparelho

Lembram quando postei aqui qual seria a minha escolha de equipamentos a levar para cobertura de eventos de tecnologia? Pois é, após três dias de atividades intensas durante o Ovi Expeditions II, que por sinal foi o melhor evento da Nokia na América Latina esse ano, volto ao tema para comentar o resultado da minha lista.

Para quem não viu o post no qual publiquei a lista, basta clicar aqui. Como sei que sempre tem alguém com preguiça pressa, seguem apenas os equipamentos, sem as explicações de porque cada um deles.

  • iPad + teclado Bluetooth Nokia SU-8W
  • Smartphone Nokia N97
  • Netbook
  • Carregadores + baterias

Bom, quem acompanhou a cobertura do evento (seja via Twitter ou via posts) sabe foram três dias de atividades diversas começando por um jantar especial ao lado da diretora de marketing da Nokia, passando por palestras/apresentações, testes com produtos, uma balada e até competição em pontos variados de São Paulo. Para cada um destes momentos utilizei um equipamento (ou mais), mas qual foi o melhor ou o mais indicado para estes momentos?

Durante o primeiro evento (jantar) coube apenas a utilizar o smartphone (Nokia N97). Como todos os presentes neste momento eram da área de publicidade/notícias de tecnologia, não ficou feio sacar o aparelho do bolso e enviar alguns twitts.

No segundo dia, que foi o mais intenso em relação a notícias, tentei ficar apenas com a dupla iPad+Teclado Bluetooth. O netbook estava na mochila pronto para entrar em ação caso fosse necessário, mas isso acabou não acontecendo. O teclado estava resolvendo muito bem.

Dado certo momento, a rede disponibilizada no local começou a apresentar uma certa lentidão. Claro, nada mais do que natural em um evento onde mais ou menos 120 pessoas estavam transmitindo informações das mais diversas formas. Tinha gente twitando, atualizando status no Facebook, postando em blogs/jornais, transmitindo vídeo em tempo real via QIK (ou algo do tipo), fazendo uploads de vídeo para o YouTube…

Solução? Conectar via 3G e usar minha rede de bolso. Abri o JoikuSpot, conectei á minha rede de dados e pronto! Problema resolvido. Ou quase… O iPad começou a engasgar e a digitação ficou lenta pois estava conectado também ao teclado Bluetooth. Duas conexões simultâneas foi demais para ele. Só não entendi por que ficou assim se antes ele também estava com duas (rede local e teclado).

Entre a lentidão da rede e a do teclado, foi-se a do teclado. Desconectei e tudo resolvido, foi só continuar a teclar diretamente na tela do tablet sem problemas. Claro, a acentuação via teclado virtual do iPad não é das mais práticas, mas funciona.

Ai vem outro problema, smartphone o dia inteiro conectado à Internet via 3G e ainda servido como access point. Usar o carregador então. Pronto, resolvido o problema mais uma vez. Deixei a bateria extra apenas para o último dia durante o evento externo.

E o netbook, não seria mais fácil utilizá-lo então? Mais ou menos. Ele é leve e fácil de transportar, mas não chega perto da praticidade do iPad. Neste basta dar um toque no botão de lock/unlock e pronto. Nada de ter de esperar o boot/login do windows e nada de risco de danificar um HD por causa de movimentos bruscos. Além disso, já imaginaram que eu teria de fazer uso de duas tomadas (uma para o netbook e outra para o N97)?

Por fim, o netbook acabou ficando no quarto do hotel para poder editar os posts com mais agilidade no final do dia. Isso também acabou aliviando muito o peso da mochila, afinal, não foi só ele que ficou guardado, mas também o cabo da fonte, o mouse e o teclado Bluetooth.

Como o N97 produz fotos de boa qualidade, não foi necessário levar uma câmera, o que também ajudou a manter a mochila leve. Vi algumas pessoas reclamarem do peso extra nas costas por causa disso lá. Só conseguia pensar que a troca foi boa para aliviar as dores nas costas.

Conclusão: Foi possível fazer a cobertura mantendo praticamente apenas o iPad, N97 e um carregador. Para quem ainda acha que os tablets não são capazes de servir para produção de conteúdo é bom começar a rever seus conceitos. Eles são perfeitos para isso? Com toda certeza não são. Mas apenas por falta de um bom multi-tarefa (iPad), editores de imagens/vídeos e um teclado mais decente. Mas da forma como está é possível se virar sim.

Espero que os próximos tablets (quem sabe o Galaxy Tab) acabem com estes problemas. Ai sim, estes serão os melhores amigos dos blogueiros/jornalistas.

O que levar para combertura de eventos tecnológicos?

Escritório móvel
Que equipamento você leva?

Como sabem, estou em contagem regressiva para o evento Ovi Expeditions II (confiram no post anterior). Como o evento será longo (três dias) e tomadas sempre são artigo de luxo nestas ocasiões, precisarei ter equipamento com uma boa autonomia de bateria, além de algo prático para possíveis deslocamentos e falta de mesa de apoio. Então resolvi fazer uma lista do que levar para não ser pego de surpresa.

Meu escritório móvel será composto por:
iPad + teclado Bluetooth Nokia SU-8W – Isso garante uma grande autonomia de bateria e mobilidade. O iPad dura pouco mais de 10 horas ligado com sua carga total, isso com Wi-Fi ligado. Já o teclado Nokia SU-8W tem tempo médio de duração de 50 horas contínuas coma apenas duas pilhas AAA.

Smartphone Nokia N97 – Este aparelho ainda é um dos meus favoritos devido à sua facilidade de uso para fotografar, filmar e transmitir tudo para a Internet. Também é uma boa ferramenta para o caso de falta de rede Wi-Fi por perto. Com ele consigo ter minha própria rede no bolso, o que me dá liberdade para acesso à Internet tanto no iPad (o meu não tem 3G) quanto no netbook. Basta manter o aplicativo JoikuSpot instalado para estes momentos.

O uso de um bom smartphone também se faz necessário para que fotos e filmagens possam ser não só registrados, mas compartilhados. Para isso o Gravity é minha escolha para postar fotos no Twitter e o QIK para transmitir vídeos em tempo real.

Netbook – Alguns devem perguntar para que levar um netbook se já estarei levando o iPad. Bom, o tablet da Apple é ótimo para uma grande quantidade de tarefas, mas algumas mais específicas ele deixa a desejar. Exemplo disso é tratamento de fotos e vídeos. No iPad isso ainda é algo que não é possível à contento. Então por que não levar apenas o netbook e deixar o iPad em casa?

Primeiro por causa da vantagem citada acima: Bateria. Um bom netbook consegue ficar ligado em torno de 4 horas e isso pode ser um tanto preocupante se você não tem uma tomada por perto. Ainda mais se justamente neste momento algo importante estiver acontecendo e sua bateria estiver fraca.

No mais, tenho que reconhecer que o iPad é “viciante”. Tanto em questão de facilidade de uso, quanto em praticidade. Precisa anotar algo, pressione o botão de “unlock” ele já está pronto para uso. Não vai usar, aperte o mesmo botão e é só guardar.

Provavelmente o netbook irá ficar no hotel para ser utilizado apenas no final do dia, quando irei trabalhar mais a fundo nos posts do evento.

Carregadores + baterias – Como o kit que levarei me dará um excelente tempo longe de tomadas, não precisarei me preocupar muito com isso. Poderei deixar todos os carregadores no hotel. Isso provavelmente deixará a mochila bem mais leve. A única exceção será uma bateria extra para o Nokia N97. Em uso normal ele aguenta até que bastante tempo, mas em condições extremas (filmar, fotografar, twittar e servir como Access Point), como será o caso no Ovi Expeditions II sei que não irá suportar muito.

E vocês, qual seria o escritório móvel que levariam para um evento como este?