Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.

Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.
Deixei de usar o aplicativo Nike+ Run Club. Saibam porque.

Como alguns sabem, sou (ou era) usuário assíduo do aplicativo Nike+ Run Club em meus treinos. Sempre considerei este uma das melhores opções para me ajudar na preparação para provas de corrida de rua. Infelizmente de uns tempos para cá a coisa não tem sido tão boa como imaginei com seu uso.

Primeiro tiraram recursos bem legais como os desafios entre amigos e as medalhas de incentivo. Achei que era algo temporário e que voltaria em alguma atualização mas até do site foi removido. Depois vieram os constantes travamentos e perdas de dados de treinamento. E como se isso não bastasse veio a atualização de Fevereiro que impossibilitou o uso do aplicativo já que sequer permitia que eu o abrisse.

Reparem bem nesta informação: Desde Fevereiro sem conseguir abrir o aplicativo. É algo que simplesmente não dá para acontecer em se tratando de uso em treinamentos feitos quatro vezes por semana.

Se observarem nos comentários deixados sobre este aplicativo tanto na App Store quanto na Google Play é possível perceber o descontentamento de vários usuários desde que lançaram as atualizações deste ano (respectivamente 2 e 14 de Fevereiro na versão iPhone e 31 de Janeiro para Android). De lá para cá nada foi feito para corrigir os problemas ou melhorar a experiência de uso e as queixas só aumentaram.

Até mesmo a sincronização que existe com o Training Club (também da Nike) anda apresentando problemas. Não foram raras as vezes em que tentei escolher um plano de treinamento e este ter me apresentado um conflito. Era preciso excluir o treino do Run Club, escolher um no Training Club para só então voltar com o primeiro. Confuso? Sim, muito.

Com os constantes travamentos, tentei ficar com as metas traçadas e marcar manualmente no aplicativo após cada treino. No começo funcionava mas depois até desta forma ficou inviável já que mais travamentos me impediam. Apenas hoje (data de publicação deste post) é que conseguir fazer funcionar novamente o aplicativo, e isso depois de desinstalar e reinstalar várias vezes.

Além dos problemas citados acima, outra motivo que me fez deixar de utiliza-lo foram os treinos recomendados pelo aplicativo. Antes pareciam mais concisos e percebia melhora em meu condicionamento, mas nos últimos meses, mesmo seguindo à risca, não percebia mais qualquer ganho. Pelo contrário, as mudanças automáticas que o sistema faz estavam, em grande parte, me obrigando a correr cada vez menos (tempo e velocidade). Não consigo entender a lógica disso se a meta que tracei nele era correr uma maratona.

Parece que a Nike focou o desenvolvimento deste aplicativo mais em compartilhamento de corridas nas redes sociais e se esqueceu de corrigir os constantes problemas relatados por seus usuários. Pena.

Por conta destes e outros problemas é que deixei de usar o Nike+ Run Club. Hoje sigo as orientações do aplicativo My Asics que está se mostrando ainda melhor do que eu pensava. Estou correndo mais e com treinos progressivos cada vez maiores. Não enfrento qualquer dos defeitos no Nike e tenho me sentido mais confiante na minha meta. Vamos ver se a Nike consegue corrigir estes problemas, da forma como está ela pode ver sua base de usuários começar a cair logo.

Planilha de planilhas de aplicativos para correr/malhar? Como assim?

Planilha de planilhas de aplicativos
Planilha de planilhas de aplicativos

Outro dia publiquei no Instagram uma imagem (parecida com esta acima) com uma planilha que criei de aplicativos que estou utilizando para me exercitar. Algumas pessoas vieram me perguntar o que era isso afinal de contas é comum o uso de planilhas de treinos, por exemplo para corridas, mas não de aplicativos.

Apesar de parecer algo diferente, minha ideia é até que bem simples. Atualmente estes são os aplicativos que mais utilizo para treinar. Sigo as orientações destes para condicionar meus treinos. Mas como são muitos (e meu tempo curto) estava difícil utilizá-los sem algum tipo de organização. Sendo resolvi colocar ordem na bagunça e resultou nesta planilha.

O que fiz foi o seguinte: Comecei com meu foco que é correr uma maratona, então parti primeiro para configurar uma planilha de treinos de corrida dentro do aplicativo My Asics. Este resultou em quatro dias por semana. Com isso fui fazendo o mesmo com os outros mas tentando encaixar suas rotinas nos outros dias. Sendo assim tenho agora uma “planilha de planilhas” de treinos diversos.

É a melhor solução? Não faço ideia, mas é a que melhor consegui para mim. Vai dar certo? Espero que sim, veremos no dia da Maratona do Rio de Janeiro que é minha meta.

Já estava esquecendo de dizer quais são estes aplicativos. Vamos a eles:

Detalhe: Todos estes aplicativos estão disponíveis tanto para iOS quanto para Android. Alguns são gratuitos, outros possuem versões pagas.

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? É possível?

Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?
Virar corredor apenas com uso de aplicativos? Isso é possível?

Hoje vou falar sobre uso de aplicativos de corrida, mas não citarei algum específico como normalmente faço. Desta vez quero falar um pouco sobre experiência com o uso destes na minha “vida de corredor” e se é possível treinar apenas com este recurso, sem ir à academias, fazer parte de grupo de corrida ou consultar algum personal trainer.

Não estou aqui dizendo que a maneira tradicional não tenha seu valor, longe disso. Um profissional sério pode e irá te proporcionar uma ótima maneira de sair do sedentarismo e/ou ganhar melhor performance. Mas pense bem. E se estas opções não estiverem disponíveis vai ficar sem treinar? Vai que onde você mora não tenha nada disso, ou que você não tenha dinheiro para custear seus treinos. O que quero mostrar é que estes não são os únicos caminhos para que você possa virar um corredor (ciclista, nadador e o que mais quiser). Seria possível treinar apenas com o uso de aplicativos?

Acredito que para provar que seja possível correr de forma satisfatória (o que varia com o objetivo de cada um) terei de contar um pouco do que eu fiz desde que comecei a participar de provas de rua. Veja bem, não sou corredor profissional, treinador ou mesmo da área de saúde, o que falo aqui é sobre a minha experiência aplicada aos meus treinos. Apenas isso.

Vamos lá! Entrei nessa de correr no final de 2013. Como bom geek procurei auxilio nos gadgets que já tinha por perto (smartphone, frequencímetro e fones de ouvido) e “corri para a esteira”. Até pensei em buscar ajuda com algum profissional da área mas devido aos meus horários malucos na época e uma “descapitalização” ($$$) tive de deixar essa alternativa de lado. Foi então que resolvi procurar os aplicativos.

Foram muitos os testes com diversos aplicativos, partindo dos mais famosos aos mais alternativos. Alguns foram úteis, outros não tanto, diversos dispensáveis e outros bastante interessantes (confira uma lista aqui).

Nesta época ouvi críticas de algumas poucas pessoas por tentar fazer assim e percebi diversas “torcerem o nariz” para essa ideia, mas ainda assim não desisti. Após as primeiras provas de 5km alguns corredores mais antigos vinham me dar parabéns meio que com desdém. Mais ou menos como quem diz para uma criancinha “que lindo seu desenho. O que é isso?”.

Quando resolvi aumentar a meta e participar das provas de 10km foi unanime: “Você agora precisa entrar para um grupo de corrida, sozinho será muito difícil”. Não gostei disso e achei que daria conta. Aumentei o nível dos treinos exigindo mais dos aplicativos e de mim. Primeira prova nesta nova distância não foi das melhores mas consegui completar. Claro que ouvi gente dizer: “Não falei? É melhor procurar um personal.”.

Continuei treinando, testando aplicativos e mudando suas configurações para personalizá-los ao meu ritmo/objetivo. Algumas provas de 10km depois esbravejei minha vontade de uma prova de 10 milhas (16km). Esta é uma distância intermediária recomendada para quem quer fazer a transição para a meia maratona. Mesmo tendo provado que até ali tinha conseguido treinar apenas com aplicativos teve gente que disse: “Agora você precisa de uma planilha de algum treinador, sem isso será impossível”. Não foi por mal, acredito que tenha sido na melhor das intenções e que apenas queria me ajudar, mas ainda assim fui de aplicativos.

Por fim conclui as 10 milhas melhor do que imaginava, com um tempo razoável e sem lesões. Para falar a verdade em alguns momentos antes da corrida achei que não conseguiria. Mais uma vez os aplicativos de corrida e exercícios se mostraram eficientes.

Próxima meta? Claro, foi a meia maratona. Escolhi uma prova com bastante tempo de antecedência para poder treinar bem e lá fui novamente mexer nos aplicativos para aumentar o nível. Foi então que apareceu uma prova de trilha com 21km no meio do caminho (que acabou virando 23km por mudança no percurso). Como estava com um nível bom resolvi me testar correndo nesta. Pensei que não seria tão difícil e que como era em trilha não precisaria me preocupar em tempo, que era só concluir.

Que engano, foi a mais difícil que já fiz até hoje e a que mais exigiu de mim. Foram muitas caibras e muita dor para concluí-la. Foi um erro correr uma prova assim? Em alguns aspectos diria que foi e que deveria ter treinado mais, mas por outro lado serviu para provar a mim mesmo que estava no caminho certo. Se consegui completar essa poderia fazer o mesmo no asfalto.

O que fiz? Já sabem, voltei a aumentar o nível dos treinos com os aplicativos, troquei alguns e procurei por novos. Resultado disso? Posso dizer com orgulho que perdi as contas de quantas vezes já fiz provas de cinco e dez quilômetros, já se foram doze meias maratonas, vários treinos de 30km, estou treinando para minha primeira maratona e penso em um dia correr uma ultramaratona. Tudo isso treinando apenas com aplicativos em meu smartphone.

Mas ai você deve estar se questionando se é correto treinar assim. Se perguntar para profissionais de educação física aposto que todos irão dizer que não. O que eu acho? Concordo com eles, esta não é a melhor maneira. Imagino que sequer seja considerada no meio profissional. Mas é a maneira que tenho feito e para mim está funcionando. Não tenho pretenção alguma de virar atleta de ponta, quero apenas alcançar meus objetivos pessoais, aprender a me superar e me divertir fazendo tudo isso com meus aplicativos.

Então, é possível treinar apenas baseado em aplicativos? Sim, é possível. Estou recomendando isso? Não, estou apenas dizendo que esta é a maneira que EU faço. Também não preciso lembrá-los de antes fazer seus exames médicos certo? Não seja inconsequente consigo mesmo.

Sobre correr uma maratona e uma ultramaratona? Um dia eu falo sobre isso, quando conseguir alcançar estes objetivos. 😉

Fone Sony MDR-AS400EX vale à pena? – Review

Fone Sony MDR-AS400EX
Fone Sony MDR-AS400EX

Geek que é geek não sai de casa para correr/pedalar sem uma playlist musical ou mesmo alguns podcasts. Eu mesmo sou um que não consigo curtir uma corrida sem isso. Por este motivo sempre estou em busca de um bom fone para os treinos.

A Sony lançou recentemente um fone de ouvidos, modelo MDR-AS400EX, dedicado à prática esportiva. A divulgação feita pela empresa é de que este fone é ideal para a prática de atividades físicas e também que não caem durante os exercícios. Será mesmo?

Estou com um deste em teste há uma semana e acredito que com isso já posso comentar minhas impressões. Rodei pouco mais de 130km com ele (pedalando e correndo) além ter utilizado também em exercícios diversos e em momentos de descanso. Posso afirmar que a Sony caprichou neste modelo.

Os fones realmente são muito confortáveis e não caíram em momento algum dos treinos. Além disso o conforto das alças de silicone para ajuste é um ponto que gostei bastante. Mal dá para perceber que estão “enroladas” ao redor das orelhas. Sem contar que não atrapalha em nada as hastes de óculos escuros.

A qualidade sonora é boa, mas nada de espetacular. Não perde em nada para outros modelos que já testei, mas também não é surpreendente. Tem uma acústica boa, graves de qualidade, bom isolamento externo e tudo mais. Mas lembre-se de que este fone é para praticantes de esportes e não para audiófilos.

Um teste que não realizei por completo, mas que a Sony promete, é que o MDR-AS400EX resiste à suor e respingos de água. Quanto ao suor posso garantir que até agora está resistindo muito bem, veremos na próxima chuva se ele também sobrevive.

Adaptador para ajuste de tamanho de fio
Adaptador para ajuste de tamanho de fio

Para quem reclama do tamanho dos fios de fones, este aqui tem 1,2m de ponta à ponta. Pode parecer grande para uso em exercícios (e de fato é), mas ele conta com um acessório para ajuste do tamanho e que também serve para prender à roupa ou braçadeira de smartphone. Gostei disso pois assim pude deixá-lo do tamanho ideal para mim.

Opinião final

Gostei bastante deste fone para meus treinos de corrida de pedalada. Se ajustam muito bem às minhas orelhas/ouvidos e a possibilidade de adaptar o tamanho do fio é um ótimo recurso. O som atende muito bem às minhas expectativas para um fone deste tipo. Até o preço não é dos mais caros (sugerido pela Sony por R$199). Então voltando à pergunta do título deste review: Sim vale à pena este fone para atividades físicas.

O fone pode ser encontrado diretamente no site da Sony ou mesmo em outras lojas.

Cozinha é ambiente geek?

Cozinha é ambiente geek?
Cozinha é ambiente geek?

Estava pensando outro dia e cheguei a conclusão de que se tem um ambiente de boa parte dos lares que se tornou bem geek nos últimos tempo é a cozinha. Duvida? Então observe a quantidade de utensílios que mudou de uns tempos para cá.

Não, não vou falar aqui sobre geladeiras inteligentes que fazem compras pela internet, impressoras 3D de comida, balanças que identificam os itens do prato e informam a quantidade de calorias… Nada disso. Esses são produtos muito legais mas que vão demorar a se tornar algo comum por aqui.

Hoje estou falando de produtos que estão nas cozinhas da maioria das pessoas e que foram chegando quase sem serem percebidos. Provavelmente você que está lendo isso tem algum(s) destes em casa. Não muito tempo atrás era basicamente tudo feito no fogão a gás e hoje ele pode ser aposentado sem grande problema (esquece fogão à lenha, isso não é do seu tempo).

Só para citar alguns objetos geeks nas cozinhas: Microondas, lavadora louça, panela de pressão, panela de arroz, fritadeira sem óleo, máquina de fazer pão, cafeteria de cápsulas, multiprocessadores, chaleira, cooktop… tudo elétrico, tudo programável ao toque de botões. Alguns destes sequer tem botões, são pequenas telas de toque. E é só entrar nos sites das lojas de produtos de cozinha que verão muitos outros gadgets do que os desta pequena lista.

São tantos aparelhos para tornar a coisa mais fácil que basta colocar os ingredientes em seus respectivos lugares, apertar alguns botões e ir tomar um café. Café este que você não precisou de um filtro de papel, não derramou pó no chão e não vai precisar de uma garrafa térmica já que fez a quantidade certa para este momento. Foi só colocar uma cápsula na máquina e ligar. Simples assim.

Lembram dos livros gigantes de receitas (os mais velhos irão lembrar da “Dona Benta”) e dos caderninhos amassados com receitas de família? Esquece, está tudo agora nas telas dos tablets com opção para buscar por ingrediente, tipo de comida, tags e o que mais achar interessante.

Por falar nisso, e aprender a cozinhar que antes era passado de geração em geração? Normalmente era de mãe para filha que acontecia isso. Hoje é tudo conectado e globalizado. Eu mesmo aprendi a fazer pratos japoneses com um chef de Nova York sem sair da minha cozinha através de um simples aplicativo.

Faltou algum ingrediente? Adiciona na lista de compras, mas esqueça os pedaços de papel. Tudo agora vai via smartphones e fica compartilhado entre sua família, onde você informa em tempo real a todos quando coloca cada produto no carrinho do mercado.

E ai, a cozinha é ou não é um ambiente geek?