Pacote de Aplicativos/serviços – Viajem ao Rio de Janeiro parte 2

Pacote de Aplicativos/serviços - Viajem ao Rio de Janeiro parte 2
Pacote de Aplicativos/serviços – Viajem ao Rio de Janeiro parte 2

Um ano atrás viajei ao Rio de Janeiro para correr uma meia maratona. Na época até publiquei um post (confiram aqui) falando sobre os aplicativos “urbanos” que utilizei. Como minha meta é fazer uma maratona (o que é bem possível de acontecer no Rio), resolvi voltar lá e fazer um teste com aplicativos/serviços que podem ser úteis em uma viagem assim.

Assim como no post do ano passado, não vou falar aqui sobre aplicativos para a corrida, mas para facilitar no processo da viagem e também para aproveitar e “turistar” um pouco. Acredito que com os jogos olímpicos se aproximando, essas dicas possam ser úteis também para quem pretende ir até lá para este evento.

Um detalhe que fiz questão de manter nesta viagem é o de ser totalmente móvel. Foquei em serviços aos quais poderia utilizar apenas um smartphone e sem precisar utilizar qualquer agencia de viagem ou demais formas tradicionais. Minha idéia era sair de casa com um smartphone na mão, ir ao Rio de Janeiro conhecer o máximo de lugares possível e voltar.

Passagens

Para começar as passagens aéreas. Isso é algo até simples de adquirir já que as principais empresas aéreas vendem através de seus aplicativos. Mas para facilitar a busca pelos melhores preços deixo a dica do aplicativo Skyscanner. Ele lista as passagens para seu destino na data desejada e te avisar quando tiver mudança de preços.

Hospedagem

Passagens compradas e armazenadas no Wallet (antes chamado de Passbook) do iPhone, vamos à hospedagem. Normalmente fico em hotéis, mas como a idéia era também testar serviços diferentes, resolvi ir de Airbnb. Encontrei muitas opções legais para os mais variados bolsos e gostos. Escolhido o apartamento (lembrando sempre de checar os comentários) foi muito tranquilo fechar com os proprietários. Arrisco a dizer que mais fácil que com vários hotéis.

Trasporte

Ok, passagens garantidas, hospedagem fechada, próximo passo foi cuidar do transporte. Resolvi deixar por conta do Uber tanto a saída de casa para o aeroporto de partida quanto do aeroporto de destino para o apartamento alugado. Mesmo no Rio de Janeiro, que é o local onde há mais confusão entre taxistas e motoristas de Uber, tudo foi muito tranquilo. Ao chegar lá e chamar por algum motorista o aplicativo indicou para aguardar ao lado do aeroporto. Lá percebi uma concentração considerável de outros turistas aguardando também pelos veículos do serviço.

Outro aplicativo que também foi bastante útil é o Moovit. Como queria conhecer vários pontos turísticos diferentes e também ter uma boa noção da cidade sem gastar muito, nada como utilizar o transporte público. Neste aplicativo basta dizer para onde deseja ir que ele irá indicar todas as linhas de ônibus, metrô, VLP, balsa e o que mais tiver disponível. Tudo com a localização dos pontos e previsão de chegada de cada linha. Ponto positivo também fica para o fato dele indicar até mesmo os trechos a serem feitos à pé com tempo estimado de caminhada e também o caminho.

Deixo só uma ressalva aqui. No caso específico do Rio de Janeiro, que se aproxima dos jogos olímpicos, algumas linhas de ônibus estão passando por trocas de rota. Isso atrapalhou um pouco mas foi fácil de contornar.

Alimentação

Chegando lá por perto do meio dia a primeira interação automática que me chamou a atenção foi a do aplicativo TripAdvisor. Ele identificou que era hora do almoço, o local onde eu estava e me indicou algumas opções de restaurantes por perto. Achei isso ótimo já que não conhecia nada na região que estava. O mesmo aconteceu em todos os pontos mais conhecidos do Rio por onde passei. Sempre recebia uma notificação sobre bons lugares para comer e/ou conhecer.

Ainda no quesito alimentação, utilizei o aplicativo iFood pela primeira vez e não tive o menor problema nisso. Enquanto as pessoas que estavam comigo ainda estavam procurando por alguma indicação de entrega de pizza eu já havia fechado o pedido. Muito prático, gostei.

Até este ponto, o que temos? Passagens, transportes, hospedagem e alimentação, tudo resolvido através do smartphone. Vamos aos outros aplicativos que utilizei.

Turismo

Aqui entrou novamente o TripAdvisor como uma grande opção. Encontrei diversas dicas interessantes de lugares legais para conhecer, inclusive alguns fora do circuito normal de turismo. Legal é que ele conta com uma enorme base de dados de dicas e sugestões deixadas por outros usuários.

Um aplicativo que conheci na viagem que vale citar é o VizuBox. Ele mostra imagens de câmeras em tempo real de diversos lugares do Rio de Janeiro. Pena que ele só funcione lá e aqui em Brasilia. Bem que poderiam expandir para outros estados.

Claro que não poderia deixar de citar também o bom e velho Here Maps. Para mim o melhor aplicativo de localização. Como não aluguei um carro, mantive seu uso para encontrar os melhores caminhos para chegar caminhando aos pontos que queria.

Em se tratando do Rio de Janeiro, infelizmente, tenho de lembrar que a questão de assaltos por lá é um tanto maior que em outros lugares. Então antes de sair para correr e/ou fazer passeios turísticos sempre dava uma olhada no aplicativo Onde fui roubado e verificava como era a região que pretendia conhecer. Considerando que para esta viagem o smartphone tinha um papel essencial, nada melhor do que se precaver.

Por fim, outras duas sugestões que deixo são os aplicativos Bike Rio e Catraca Livre. Não cheguei a utilizá-los de fato, mas sempre dava uma olhada para verificar seu funcionamento. O primeiro é para quem quer pegar uma daquelas famosas “bicicletas laranjas” para pedalar por ai. Já o segundo serve para encontrar eventos culturais gratuitos pela cidade.

Emergências

Não preciso dizer que problemas podem acontecer em uma viagem, seja ela para uma corrida ou apenas por lazer. Sendo assim não custava nada manter mais alguns aplicativos no smartphone para ajudar nestes momentos. Dois que levei comigo foram: Hospital+ e Beep!.

O Hospital+ serve para encontrar hospitais, clínicas, farmácias, postos de saúde e demais estabelecimentos do tipo. Já o Beep! é para encontrar profissionais de saúde que atendem em domicílio. Ainda bem que eles não precisaram entrar em ação, mas é sempre bom mantê-los por perto. Fica a dica.

Aplicativos extras

Para fechar as sugestões, deixo abaixo outros que utilizei e que considero interessantes para manter no “pacote de viagem”.

  • App in the Air – Para notificações sobre informações de embarque tais como mudança de horário, troca de portão, atraso no vôo…
  • TripList – Para organização de tudo que vai na bagagem como roupas e equipamentos, tarefas a fazer para a viagem…
  • Espresso – Aplicativo para gerenciar as despesas de viagem. Muito útil para manter os gastos sobre controle. Tem até opção de gerar relatório de gastos ao final.
  • WiFi Map – Para localizar pontos com redes gratuitas e poupar um pouco do plano de dados.

Detalhe importante desta lista de aplicativos. TODOS são de graça e apenas alguns tem gastos internos que dependem apenas de suas escolhas (Uber, iFood, Bike Rio e Beep!).

HERE Maps abandona Windows Phone

HERE Maps abandona Windows Phone
HERE Maps abandona Windows Phone

Faz tempo que não comento sobre Windows Phone por aqui e confesso que esta não é a forma como gostaria de voltar a falar sobre esta plataforma. A notícia, que caiu como uma bomba para seus usuários, é a de que a Here Global B.V. (responsável pelo sistema/serviço) vai abandonar o desenvolvimento para o Windows.

A empresa informou que irá acabar totalmente com o suporte para o Windows 10 já este mês e o aplicativo será removido da loja. O problema é que foi utilizado uma “solução de contorno” (também conhecido como gambiarra) e que não irá mais funcionar. Seria preciso reescrever todo o aplicativo, o que não irão fazer.

Já para os aparelhos com Windows Phone 8.1 a coisa é um pouco menos ruim. Vai continuar funcionando, mas não irão manter o desenvolvimento, ou seja, nada de novos recursos e nada de atualização de mapas.

Nós fizemos os aplicativos HERE compatíveis com o Windows 10 usando uma solução alternativa que não será mais efetiva depois de 30 de junho. Para continuar oferecendo os aplicativos HERE para o Windows 10, seria necessário desenvolver novamente os aplicativos desde o início, um cenário que nos levou à decisão de remover nossos aplicativo da Windows 10 Store”, informou o representante Pino Bonetti.

Resumindo: O Windows Phone não tem usuários suficientes para manter tal desenvolvimento e acabou de perder o ÚNICO aplicativo de peso que tinha.

Essa não é a primeira vez que a HERE Global B.V. dá sinal de que a coisa estava ruim para o Windows Phone. Em Setembro de 2014, ainda sobre o guarda-chuva da Nokia, já haviam deixado temporariamente de lado esta plataforma para focar em iOS e Android (confiram aqui).

É uma pena, mas já era previsível que isso aconteceria mais cedo ou mais tarde. Se quiserem continuar utilizando o Here Maps, que para mim é um dos melhores aplicativos de GPS, terão de migrar para o iOS ou Android.

WD My Cloud – Sua própria nuvem pessoal

WD My Cloud - Nuvem pessoal
WD My Cloud – Nuvem pessoal

Hoje falar em nuvem de dados é algo bastante comum. Nomes como Dropbox, Google Drive, iCloud, OneDrive são mais que conhecidos. Mas e nuvem própria? Sim, é possível ter uma armazenada ai na sua casa, escritório ou onde mais achar conveniente. Tenho testado há algum tempo o WD My Cloud, um NAS (Network Access Storage) básico voltado para uso doméstico.

Há alguns modelos semelhantes da marca que vão de 2 a 4 TB os quais bastam estar conectados ao roteador para permitir acesso remoto ao seu conteúdo. O que tenho em mãos é o de menor capacidade (2TB) mas todos podem ser ampliados bastando conectar outro HD externo em sua porta USB (3.0).

Gostei do fato deste ter um visual bem limpo e discreto, sendo basicamente branco com uma pequena parte cinza. A única luz frontal (azul) é bem sutil e pode ainda ser desligada caso queira. Lembrando que esta indica o status do NAS. A conexão com o roteador é feita exclusivamente através de cabo e pode ser tanto a 100 Mb/s ou 1 Gb/s, dependendo do seu roteador. No meu caso conectei a um Apple Airport Express sem a menor dificuldade.

Falando nisso, outro dia me perguntaram se a instalação e configuração é complicada. Não, é bem simples e não requer muitos conhecimentos técnicos. Após conectá-lo ao roteador é só acessar o endereço “http://wdmycloud” e seguir as instruções. Basicamente é só escolher o idioma, login e senha para o primeiro acesso. Depois, se for o caso é possível criar outros usuários, cada um com seu acesso diferenciado. Há outra maneira de fazer esta instalação através de programa próprio da WD (disponível para OSX e Windows). Seguindo pela instalação sem aplicativo, após a criação do usuário você será redirecionado para uma tela de administração com diversas configurações e informações. É aqui também que se pode atualizar o firmware do sistema.

WD My Cloud - Tela inicial
WD My Cloud – Tela inicial

Sobre o sistema, não espere muita coisa avançada. Nada de instalar cliente de Torrent, servidor web, download automatizado, sincronia com outras redes… O WD My Cloud tem o intuito de funcionar como armazenamento de dados e backup (funciona muito bem com o Time Machine dos Macs). Se você tiver algum dispositivo com DNLA (como uma smartTV) é possível acessar seus arquivos de mídia e até mesmo a biblioteca do iTunes. Claro que isso também funciona através da internet, afinal é para isso que serve um NAS.

Falei que dá para conectar um HD externo ao WD My Cloud certo? Não preciso dizer que o mesmo serve para pendrives. Tanto um quanto o outro podem ser utilizados não apenas para ampliar a capacidade de armazenamento, mas também para criar pontos de segurança, os “Safepoints”. Assim é possível recuperar seus dados se houver alguma falha grave no NAS. Gostei disso apesar de esperar nunca precisar restaurar arquivos desta forma, mas é bom saber que há esta opção.

Se o programa para desktop é útil, os aplicativos móveis não ficam atrás. Não testei as versões para Windows Phone ou Android, apenas a do iOS, e esta digo que funciona muito bem. Neste aplicativo há possibilidade de acessar não só o NAS mas também outras redes como Dropbox, Google Drive e OneDrive (senti falta do iCloud). Com isso optei por desinstalar o outro aplicativo que utilizava antes para centralizar tudo isso no My Cloud.

WD My Cloud - Aplicativo iOS
WD My Cloud – Aplicativo iOS

A velocidade de acesso aos arquivos, independente da maneira que fizer, é boa. Apenas as primeiras transferências demoraram consideravelmente porque armazenei tudo que tinha espalhado em outros HDs, pendrives e CDs/DVDs (sim, ainda tinha alguns, agora acabou). Um detalhe legal do WD My Cloud é que há também a possibilidade de criar pastas públicas para compartilhar arquivos com quem quiser. Tome cuidado com o que vai compartilhar e evite fazer pirataria. 😉

Minha opinião sobre o WD My Cloud: Gostei bastante do equipamento e está me atendendo muito bem. Os backups via Time Machine estão funcionando sem problemas e sequer percebo quando estes acontecem. O recurso de ser avisado via e-mail quando algo errado acontece (reinício de sistema por exemplo) é bastante útil. Acesso móvel através de smartphone também é uma mão na roda.

Moovit – Informações sobre transporte público

Moovit - Informações sobre transporte público
Moovit – Informações sobre transporte público

Ontem comentei sobre o ClickBus, um aplicativo para compra de passagens interestaduais de ônibus. Hoje vou comentar sobre outro mas para informações sobre transporte público urbano. O Moovit é, de todos os aplicativos que conheço deste tipo, o melhor.

Há diversos serviços do tipo inseridos em aplicativos de mapas, mas por este ser focado apenas neste tipo de informação consegue ser mais prático que os demais. Além dos horários dos ônibus e metros, ele identifica sua localização e informa qual o melhor para você chegar ao seu local de destino. Perdeu aquele ônibus? Com um toque te mostra o horário do próximo que irá passar. Não sabe aonde tem uma estação de metrô, ele te mostra o caminho até lá, qual linha deve pegar, aonde trocar (se for o caso), quando irá caminhar e quanto tempo levará.

Ok, como falei antes, alguns aplicativos possuem estes recursos, mas no Moovit há possibilidade também de marcar suas rotas favoritas, de saber quanto tempo ainda falta para chegar estando já dentro do ônibus, de compartilhar informações sobre o transporte público com outros usuários do aplicativo (atrasos, se o ônibus parou ou não no ponto, se está fora de linha, aconteceu algum incidente…), receber notificações dos operadores do transporte… Um verdadeiro assistente pessoal de transporte.

Sobre os locais aonde ele funciona, claro que não temos todas as cidades do Brasil, aliás acho que mesmo o governo não tem informações centralizadas tão abrangentes. No momento que estou escrevendo este post são 30 aqui no Brasil (Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Itajaí, Jaraguá do Sul, Juiz de Fora, Uberaba, João Pessoa, Londrina, Manaus, Natal, Palmas, Porto Alegre, Praia Grande, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, São José dos Campos, São Paulo, Teresina, Uberaba) mas estão expandindo e acho que logo teremos mais. No total já são 600 no mundo (confiram a lista aqui).

Legal é que este aplicativo está disponível gratuitamente para as três principais plataformas móveis (iOS, Android e Windows Phone), além de também para Apple Watch e Android Wear.

Download na iTunes App Store Baixar no Google Play Download na Loja Windows
Adeus velha amiga – Nokia vai deixar saudades

Adeus velha amiga – Nokia vai deixar saudades

Adeus velha amiga - Nokia vai deixar saudades
Adeus velha amiga – Nokia vai deixar saudades

E mais uma vez venho aqui falar de outro dia triste para mim. No meu último post (ok faz tempo…) foi a despedida do bom e velho Symbian. Hoje volto para me despedir desta que já foi a maior empresa do setor de telefonia móvel no mundo.

Todos vocês já sabem que a Microsoft comprou uma parte da Nokia, mas pelo que tenho visto por ai as pessoas não estão percebendo direito o que tudo isso representa. Não é uma parceria como foi feita há poucos anos aonde as duas iriam caminhar juntas, foi uma aquisição da parte mais importante da empresa. Pelo que foi divulgado toda a parte de dispositivos móveis e serviços agora farão parte da Microsoft. Isso representa praticamente a finlandesa inteira. Vai sobrar o que? Patentes, infra-estrutura de redes e serviço de mapas. Até a marca e a Naviteq estão, de certa forma, agora sobre o guarda-chuvas da Microsoft já que pelo acordo foram licenciadas para o uso mobile nos próximos anos (10 se não me engano).

Foi um bom acordo? Para a Microsoft com toda certeza, para a Nokia já não sei dizer. A gigante agora terá tudo nas mãos, ou seja, ótimas soluções para smartphones, tablets, PCs e entretenimento (Xbox). Tudo integrado. A Nokia vai acabar fazendo o que sempre fez de melhor, ou seja, se reinventar e mudar de foco. Não sei se conhecem a história dela, mas já foi fabricante de papel, de botas de couro, cabos para telefonia, já foi (ainda é) forte em desenvolvimento e implantação de redes móveis… Enfim, ela irá se transformar novamente. Mas e para os fãs, foi um bom acordo? Não.

Não sei o que acham, mas para mim foi o fim da Nokia. Pelo menos o fim daquela empresa que aprendi a admirar durante tantos anos. Ao contrário do que alguns estão dizendo, não vejo mais um futuro para ela. Fabricar smartphones e celulares outra vez ela só poderá daqui a alguns anos. Considerando que ela não tem mais as fábricas, não tem mais os funcionários, não tem mais sistema operacional e não contará mais com parceria da Microsoft os $7 bilhões de dólares não serão suficientes para bancar uma volta a esse mercado. Isso é menos até do que ela pagou na Naviteq.

Na época da adoção do Windows Phone pareceu um pesadelo já que ela estava deixando de lado anos de desenvolvimento do Symbian, mas ok, este bonde já havia passado e ela precisava se atualizar. A Microsoft estava presente ali, mas ainda era a Nokia, ainda tinha um pouco daquele brilho do passado. Agora não haverá mais isso. A Marca Nokia continuará aparecendo nos próximos aparelhos, mas não acredito que por muito tempo. Posso estar enganado, mas a Microsoft vai querer tornar cada vez mais claro que é ela quem estará fabricando e não a antiga parceira. Se até a marca Lumia, que ainda é sinônimo de Windows Phone, Steve Ballmer falou que irá mudar, vocês acham mesmo que a palavra “Nokia” irá durar muito? Triste, mas é o que parece que irá acontecer.

Quanto a mim, já perguntaram qual será meu próximo aparelho. Com toda certeza não será mais um com Windows Phone. Enquanto ele estava apenas “dentro do pacote Nokia” estava tudo bem, mas agora não me vejo mais utilizando Windows. Depois da frustração que foi ter apostado no Lumia 800 e este não ter sido atualizado tenho que dizer que fiquei decepcionado. Somado a isso tem a questão dos aplicativos que não chegam à loja oficial. Se até em meu ambiente de trabalho descartei a Microsoft, não tenho mais motivos para continuar com este sistema.

Migrar para o Android está fora de cogitação pelo menos para um futuro à médio prazo. Um dia quem sabe, mas não acredito nisso para os próximos anos. Só me resta então ir para o iOS que já está bem integrado à minha rotina. É a melhor escolha? Pode não ser para todos, mas para mim sim.

Enfim, mais uma página virada na história da tecnologia móvel. Infelizmente a Nokia se junta à Palm e tudo leva a crer que em pouco tempo a Blackberry fará parte deste grupo. Fica aqui o meu adeus à Nokia que deixará saudades. Fico pensando em o que acontecerá com a Fundação Nokia de Ensino que tive o prazer de conhecer em Manaus. A Microsoft irá assumir? Vai ficar na parte que restou da Nokia? Espero sinceramente que ela continue funcionando.

Muito obrigado Stephen Elop por acabar com a Nokia
Muito obrigado Stephen Elop por acabar com a Nokia